Site mostra vídeos inéditos de Gonzaguinha






Adriana Crisanto



É de autoria de um paraibano, o gerente de negócios Paulo Vanderley, um conteúdo inédito em vídeo que está sendo disponibilizado no website sobre o compositor e cantor Gonzaguinha e que se tornou notícia na imprensa cultural do país. Desde que foi ao ar, no início de janeiro, o site teve mais de três mil acessos, apesar de ter sido construído há oito anos.
O website, construído com muita dedicação por Paulo, resgata a história e a arte de Luiz Gonzaga do Nascimento Júnior, o Gonzaguinha. São quatro vídeos com cerca de três minutos cada contendo a inauguração do Museu do Gonzagão, pai de Gonzaguinha, o discurso final e os shows Pense N´eu e Asa Branca.
As imagens, segundo Paulo Vanderley, estavam nas mãos de seu pai guardadas por mais de 15 anos. “São as únicas imagens da inauguração do Museu do Gonzagão, feitas em 13 de dezembro de 1989, com o show final de Fagner, Elba Ramalho, Gonzaguinha e Dominguinhos, em que teve a queima de fogos de artifícios”, recordou Paulo Wanderley, que é natural de Piancó, interior do Estado da Paraíba.
Ele conta que a sua paixão pela obra de Gonzagão e Gonzaguinha aconteceu porque seu pai, que era funcionário do Banco do Brasil, foi designado para trabalhar numa agência em Exú, interior do Estado de Pernambuco e no lugar só fala da família Gonzaga. Hoje ele tem um acervo que só quem é fã sabe o significado. São mais de dez Lp´s, fitas, fotos, reportagens e agora vídeos com imagens inéditas. “A principio estão apenas quatro vídeos, depois colocaremos mais imagens”, comentou.
De acordo com os idealizadores, o site é um trabalho cultural e tão fins lucrativos com o único objetivo de manter viva a memória de um ídolo. As imagens dos vídeos deixam um pouco a desejar devido ao período em que foram filmadas, mas, vale como registro e memória de um dos melhores cantores da música popular brasileira que faleceu ainda jovem, vitima de um acidente automobilístico.
Várias são as discussões quanto a veracidade sobre a paternidade de Gonzaguinha. Muitos ainda questionam se ele era mesmo filho do Rei do Baião. Paulo Vanderley rebate as discussões explicando que Gonzagão conheceu a mãe de Gonzaguinha num de seus shows, com ela teve um romance e nasceu Luiz Gonzaga do Nascimento Júnior, que durante um tempo de sua vida foi criado pelos padrinhos, que o iniciaram na música.
Desde cedo freqüentou os blocos e rodas de samba do Estácio, principalmente a Unidos de São Carlos no Rio de Janeiro, onde nasceu. Mais tarde entrou na faculdade de economia e conheceu, na Tijuca, o compositor Ivan Lins e o letrista Aldir Blanc (todos integrantes do MAU - Movimento Artístico Universitário), com quem, alguns anos mais tarde, o apresentou no programa Som Livre Exportação, na TV Globo.
Gonzaguinha concorreu, em 1968, no I Festival Universitário de Música Popular do Rio de Janeiro com a canção "Pobreza por Pobreza", que chegou às finais. No ano seguinte, na segunda edição do festival, foi o vencedor com "O Trem". Fazendo carreira em festivais, concorreu em 1970 com "Um Abraço Terno em Você, Viu, Mãe?", lançada em um compacto.
No ano de 1973, participou de um programa de televisão com a música "Comportamento Geral", em que fez duras críticas ao regime militar, que gerou polêmica e esgotou seu compacto que estava à venda. Desde então Gonzaguinha sempre teve outros problemas com a censura. Ainda na década de 70 excursionou por todo o país e gravou, em 1976, o disco "Começaria Tudo Outra Vez", um dos maiores sucessos de sua carreira.
Na sua discografia constam o lançamento de dezesseis LP´s e participou de outros tantos durante a vida, e depois de sua morte coletâneas e discos ao vivo foram lançados. Suas composições foram gravadas com êxito por diversos intérpretes, como Maria Bethânia, Fagner, Elis Regina, Simone, Joanna, As Frenéticas e outros. Entre elas, "A Felicidade Bate à Sua Porta", "Explode Coração", "Grito de Alerta", "Espere por Mim, Morena", "É", "Sangrando", "O Que É o Que É", "Um Homem Também Chora (Guerreiro Menino)".
No site construído por Paulo Vanderley consta toda trajetória do artista e segundo seus idealizadores é um trabalho cultural, sem fins lucrativos, com o único objetivo de manter viva a memória de um ídolo. Para conferir basta acessar o endereço eletrônico www.gonzaguinha.com.br.