Aumenta que é rock

O programa de rock Aumenta que é Rock está promovendo mais uma enquete para saber qual a banda paraibana que o público gostaria que tocasse na próxima edição do festival. As bandas paraibanas Star 61, Cabeça, Dalila no Caos, Dawn Jones, Enquanto Isso, Flying Back, Gargalo, Motherhell, Projeto 50, Poetas do Absurdo, Sem Horas, Sem Horas, Scary Monsters e Rotten Flies estão na concorrência para saber qual delas é a favorita.

O evento Aumenta que é Rock, que teve sua primeira edição em caráter de festival em agosto deste ano, reuniu nomes de peso do rock brasileiro e promessas locais em dois dias de festa na Casa de Cultura Lúcio Lins, no centro histórico da capital. Por lá, segundo os amigos dos organizadores, passaram cerca de 1800 pessoas.

Apesar da quantidade de bandas de rock existentes em João Pessoa e de um público ávido a cidade ainda carece de eventos de grande porte para que essa produção possa ser escoada para outros Estados. Para acessar votar basta acessar a página http://www.festivalaumenta.com/ e votar na sua banda preferida.

Na edição passada do Aumenta que é rock as bandas que agitaram bastante o público foram Star 61, Dawn Jones e Motherhell. A Star 61 que lançou este ano o segundo CD demo é uma das favoritas do público.

O Star 61 ao lado de grupos como The Sylvias, Cabruêra (rock mais regional), Unidade Móvel (rock industrial pop) vem se revelando como um dos mais irreverentes. Depois da extinta banda Flávio Cavalcanti, atual Flávio C, hoje, pode-se dizer sem pestanejar que o Star é o que de melhor existe na cena musical.

Comentários que surge de pessoas que estão sempre ligadas no que há de melhor no cenário local, a exemplo do ator, diretor de teatro e especialista em música alternativa, Everaldo Pontes. Na opinião de Everaldo, o grupo tem uma energia muito verdadeira. Pulsação está que ficou esquecida pelas bandas, devido, talvez, quem sabe, a exigência e urgência que tem os músicos, em se aliar as novas ferramentas da tecnologia, principalmente os que estão surgindo.

No melhor estilo “Placebo purpurina de ser” o efeito deles no palco é poderoso e impressionante. Resultado observado em nomes como Mick Jagger. Algumas pessoas acreditam que este efeito que enlouquece contagia a platéia que os assiste e escuta e isso se deve ao despojamento de Flaviano que a cada apresentação entra vestido com um figurino mais absurdo do que o outro.

Até um vestido de noiva ele já usou. Foi no Festival Mada, no Rio Grande do Norte, onde ganhou o prêmio como banda revelação de 2004, abrindo para o Sepultura. O público foi conquistado ali, à primeira vista, com a performance da noiva Flaviano regando flores no palco.

Fora toda a irreverência à musicalidade em momento nenhum é perdida. A formação é a tradicional, ou seja, baixo (Edy - ex-Flávio Cavalcanti), guitarra (Túlio) e bateria (Walter Marrano), no melhor estilo rock. Tudo isso aliado a voz de Flaviano que já diz tudo.

O talento e despojamento levou a banda a participar do Abril pro Rock de 2005, ganharam a eliminatória de Recife do “Claro Que é Rock”. Existe comentários de que a mídia tenha ofuscado um pouco o trabalho do grupo, pois as matérias falavam mais das bandas de Recife do que o grupo da Paraíba.

Em novembro do ano passado a banda foi para São Paulo para participar do festival Claro Que É Rock, junto com as bandas Cachorro Grande, Iggy Pop & The Stooges, Sonic Youth, Nine Inch Nails, Flaming Lips e outras. A apresentação rendeu um outro convite. Desta vez para se apresentar no Blen Blen, casa de shows paulistana, dentro do projeto 2em1, ao lado das bandas Rock Rocket e Bidê ou Balde.

Para quem quiser conhecer o trabalho da banda pode acessar o website da trama, através do endereço eletrônico http://www.tramavirtual.com.br/star_61. Além do histórico do grupo você escutar as músicas do primeiro CD demo e também o mais recente “Fliperama”. Habilite-se e divirta-se.

Adriana Crisanto

adriana@jornalonorte.com.br

Foto: Arquivo divulgação da banda Cabruêra.