Festa do Conto







“Festa de Ontem” é o título do conto que garantiu a professora e escritora paraibana Joana Belarmino o primeiro lugar na 9a edição do Prêmio “Um Livro é um Amigo”, promovido anualmente pela Associação dos Cegos e Ambíoples de Portugal (Acapo). O concurso é aberto a países de língua portuguesa e se destina a pessoas com deficiência visual ou com baixa visão.
De acordo com Joana Belarmino, a idéia do conto surgiu no ano passado quando foi convidada para participar do Clube do Conto da Paraíba. O Clube é composto por intelectuais que se reúnem todos os sábados para leitura de sua produção. Em cada reunião um tema é trabalhado para seja produzido o conto para o próximo encontro. “A Festa de Ontem foi o meu primeiro conto lido no Clube”, disse Joana.
O conto “A Festa de Ontem” concorreu com outros 12 trabalhos. O segundo lugar, categoria contos, também foi para um brasileiro, o gaúcho Daneil Gause. Na categoria poesia, os primeiros lugares foram para escritores portugueses. A entrega do prêmio, em dinheiro (250 euros), acontece no dia 10 de março em Coimbra. Além do prêmio os classificados recebem um kit com obras do escritor Miguel Torga, que este ano será o homenageado do concurso. “Também serão distribuídas obras dele publicadas em Braille”, acrescentou.
A cerimônia, segundo a escritora, terá um caráter especial este ano. Os vencedores sairão em passeio pelas ruas da cidade em carro aberto (um troler), visitando todos os pontos onde Miguel Torga viveu. Logo após haverá a leitura dos contos e poesias premiadas e a entrega do prêmio na sede da Acapo.
Não é a primeira vez que Joana Belarmino leva o prêmio dos concursos da Acapo. Ela foi à vencedora na oitava edição do concurso com o conto “As Tantas Cordas do Sonho”, em que escreveu sobre a questão da cegueira.
O concurso, desde que foi criado, tem a intenção de promover e incentivar o gosto pela leitura e escrita em pessoas portadoras de deficiência visual (produção literária em prosa e poesia). O desejo dos promotores do Prêmio “Um Livro é um Amigo” é que na décima edição comemorativa seja publicado um livro com os contos e poesias premiadas.
Joana Belarmino de Sousa é jornalista, professora de metodologia do curso de Comunicação e Turismo da Universidade Federal da Paraíba (Decomtur/UFPB). Concluiu o doutorado em 2004 na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC), em que trabalhou com os aspectos comunicativos da percepção tátil: a escrita em relevo como mecanismo semiótico da cultura, e foi orientada pelo professor José Amálio Pinheiro.
Sua produção é vasta. Publicou na revista Benjamin Constant, seção Relato, dois trabalhos: O que vê a cegueira (nº 16, agosto/2000) e A cegueira, o braille e o jornalismo: furos de uma reportagem (nº 27, abril de 2004), ambos disponíveis no site do IBC. Foi repórter de O NORTE. É autora dos livros: Dartanham, Um Gato com Gosto de Pinto" (literatura infanto-juvenil), Editora Moderna, São Paulo, 4a edição (1989); "O Patinho Criança" (literatura infantil), Edição Independente (1979); “Era uma vez uma vírgula” (Editora Idéia); "O Comício das Veias", (contos e poemas em parceria com o poeta Lau Siqueira), Edição Independente (1993); Dissertação de Mestrado "A Luta dos Grupos Estigmatizados Pela Cidadania Plena: Um Estudo Sobre o Movimento Associativista dos Cegos na Paraíba" (1996).
É a atual presidente Associação Paraibana de Cegos (Apace) entidade responsável por sociabilizar os portadores de deficiência visual, que recentemente promoveu o lançamento do Guia do Greenpace sobre o aquecimento global em Braille, distribuição do alfabeto escrito em Braille e homenageou os 198 anos de nascimento de Louis Braille, inventor do método de leitura e escrita para pessoas cegas.

Quem foi Miguel Torga?

Miguel Torga é o pseudônimo de Adolfo Correia Rocha (1907/1995). Foi um dos mais importantes escritores portugueses do século XX. Filho de um camponês freqüentou o seminário e emigrou para o Brasil em 1920, aos 12 anos, para trabalhar na fazenda de café de um tio, em Leopoldina (Minas Gerais). Teve seus estudos patrocinados pelo tio e ingressou na Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra. Publicou seu primeiro livro de poesia intitulado “Ansiedade”, em 1928.
Exercer a sua profissão de médico a partir de 1939 e onde escreve a maioria dos seus livros. Em 1933 concluiu a formatura em Medicina, com apoio financeiro do tio do Brasil. A obra de Torga tem um caráter humanista: criado nas serras transmontanas, entre os trabalhadores rurais, assistindo aos ciclos de perpetuação da natureza, Torga aprendeu o valor de cada homem, como criador e propagador da vida e da natureza. Considerado por muitos como um avarento de trato difícil e caráter duro, foge dos meios das elites pedantes, mas dá consultas médicas gratuitas aos pobres e é referido pelo povo como um homem de bom coração e de boa conversa. Foi o primeiro vencedor do Prêmio Camões.


Adriana Crisanto
adriana@jornalonorte.com.br
adrianacrisanto@gmail.com
Foto Ovideo Carvalho
Matéria publicada no caderno Show do jornal O Norte em fevereiro de 2007.