Oscar 2007





Neste domingo (25) pode preparar o balde de pipoca e sentar-se na frente da televisão para assistir a entrega de prêmios da 79a edição do Academy Awards, popularmente conhecido no Brasil por “Oscar 2007”. A solenidade de entrega acontecerá no Kodak Theatre, em Los Angeles. A transmissão do evento será realizada em canais de televisão aberta e fechada do Brasil.

A Academia de Artes Cinematográficas de Hollywood divulgou na semana passada os indicados ao prêmio deste ano. Entre os concorrentes indicados a categoria de melhor filme estão: Babel, Os Infiltrados, Cartas de Iwo Jima, Pequena Miss Sunshine e A Rainha. Na categoria de melhor diretor foram indicados Martin Scorcese (Os Infiltrados), o mexicano Alejandro Gonzalez Iñarritu (Babel), Clint Eastwood (Cartas de Iwo Jima), Stephen Frears (A Rainha) e Paul Greengrass (Vôo United 93)

No item melhor roteiro original estão: Guillermo Arriaga (Babel), Iris Yamashita and Paul Haggis (Cartas de Iwo Jima), Michael Arndt (Pequena Miss Sunshine), Guillermo del Toro (O Labirinto do Fauno) e Peter Morgan (A Rainha). Na categoria de melhor atriz foram indicadas: Penélope Cruz (Volver), Judi Dench (Notas sobre um Escândalo), Helen Mirren (A Rainha), Meryl Streep (O Diabo Veste Prada) e Kate Winslet (Filhos da Esperança).

Entre os atores indicados estão os nomes de Leonardo DiCaprio (Diamante de Sangue), Ryan Gosling (Half Nelson), Peter O'Toole (Vênus), Will Smith (À Procura da Felicidade), Forest Whitaker (O Último Rei da Escócia).

A lista de indicações é extensa e ao mesmo tempo cansativa, e não daria para citar todos. A internet disponibiliza uma série de comentários sobre o evento mais importante do cinema mundial que podem ser acompanhado nos websites do Yahoo, Terra e no site do canal de televisão fechada TNT. De acordo com os websites a disputa ainda é incerta e aponta vários favoritos. Os analistas de premiações da agência Reuters, por exemplo, identificaram "Pequena Miss Sunshine" e "Os Infiltrados" como favoritos certeiros para o Oscar, mas disseram que a disputa por vários dos prêmios ainda está totalmente aberta.

O diretor do site Movie City News, David Poland, acredita que esse ano será bem dividido. “Prevejo que nenhum filme receberá mais que três Oscar e que os vencedores estarão espalhados", comentou. A produção independente "Pequena Miss Sunshine" ganhou impulso, segundo os especialistas, na disputa pelo melhor filme, depois de ser premiada como melhor longa pelo Sindicato dos Produtores da América, melhor elenco pelo Sindicato dos Atores e melhor roteiro pelo Sindicato dos Roteiristas.

O policial "Os Infiltrados", de Martin Scorsese, também tem chances boas, já que Scorsese foi considerado o melhor diretor pelo Sindicato dos Diretores e William Monahan recebeu o prêmio de melhor roteiro adaptado do Sindicato dos Roteiristas.

A decepção de Ennio Morricone

Para alguns artistas, produtores e cineastas de plantão as indicações do Oscar 2007 causaram uma certa decepção. Foi o caso do compositor italiano Ennio Morricone. Ele é o autor de trilhas sonoras de 400 filmes e vencedor de importantes premiações do cinema. O músico, em entrevista ao Cine Click, desabafou que há uma incômoda lacuna na sua estante.

Embora faça criticas Morricone já recebeu da Academia cinco indicações ao prêmio de melhor trilha sonora nos filmes: Cinzas no Paraíso, A Missão, Os Intocáveis, Bugsy e Malena, mas não conseguiu vencer em nenhuma das ocasiões.

Morricone, que completa 79 anos este ano, diz está desiludido e que havia descartado a hipótese de entrar para o hall de vencedores. O que consola Ennio Morricone é que ao seu lado estão outros ícones do cinema que nunca levaram a pequena estátua para casa, como o diretor Stanley Kubrick e Alfred Hitchcock.

“Após cinco indicações, eu não esperava mais nada. De fato, esperava permanecer sem um Oscar. Estou em companhia de ilustres não-vencedores. Vejo o Oscar como uma casualidade da sorte – mesmo os que merecem ganhar. Isso não significa que não estou feliz. Recebi muitos prêmios maravilhosos e incríveis, mas ainda havia um pequeno vazio. Talvez o Oscar o preencha”, comentou Morricone.

O Brasil no Oscar

O Brasil vem há muito tempo sonhando com a estatueta dourada. Chegou perto, mas nunca levou um prêmio para casa. Este ano o longa-metragem de Marcelo Gomes, “Cinema, Aspirinas e Urubus”, deveria representar o Brasil, mas ainda não foi dessa vez. Na opinião dos críticos brasileiros, o filme de Marcelo teria condições de disputar uma vaga. No entanto, ao concorrer com 60 produções de todo o mundo, "Cinema, Aspirinas e Urubus" não foi indicado.

No ano passado o filme “Dois Filhos de Francisco – A História de Zezé di Camargo & Luciano”, escolhido pelo Ministério da Cultura para concorrer a uma indicação do Oscar 2006. O filme foi dirigido por Breno Silveira e levou mais de seis milhões de espectadores ao cinema. Mas, o drama dos sertanejos não convenceu aos integrantes da Academia, mesmo com todo lobby feito pela Conspiração Filmes e pela Columbia Pictures.

O excelente Diários de Motocicleta do diretor Walter Salles, em 2005, foi indicado ao Oscar de Melhor Roteiro Adaptado (roteiro de José Rivera, baseado no diário escrito por Che Guevara durante uma viagem pela América Latina, em 1952) e Melhor Canção (pela música "El Otro Lado del Río", do cantor uruguaio Jorge Drexler), o filme é falado em espanhol, financiado por grupos estrangeiros e realizado por equipe latino-americana. Por ser considerada uma produção de vários países, o filme não pôde concorrer ao prêmio de Melhor Filme Estrangeiro.

Desde 1963 que o Brasil tenta concorrer ao prêmio da Academy Awards a concorrer à categoria de melhor filme estrangeiro. A primeira indicação nacional ocorreu em 1963, com "O Pagador de Promessas", dirigido por Anselmo Duarte. Acabou perdendo para o francês “Les Dimanches de Ville d´Avray”.

Muitos anos depois foi a vez de Sônia Braga e companhia concorrer com o filme “O Beijo da Mulher Aranha” cujos créditos de produção foram divididos entre Brasil e Estados Unidos, e foi indicada a quatro Oscars em 1986: Filme, Roteiro Adaptado, Direção (Hector Babenco) e Ator (William Hurt). Acabou levando apenas o último.

No ano de 1996, O Quatrilho voltou a sonhar como troféu de melhor filme estrangeiro. "O Quatrilho", de Fábio Barreto, conseguiu uma vaga entre os cindo indicados em 1996. A história de imigrantes italianos no sul do país perdeu para o holandês “A Excêntrica Família de Antonia”.

Na cerimônia de 1998, o Brasil voltou a fazer torcida. Desta vez, o indicado era "O Que é Isso Companheiro", filme de Bruno Barreto sobre a ditadura no país. Perdemos novamente para um holandês, “Caráter”.

Em 1999, o filme Central do Brasil foi indicado para duas categorias do Oscar: melhor filme estrangeiro e melhor atriz. Na primeira, perdeu para “A Vida É Bela”, do italiano Roberto Benigni. Na segunda, quem tirou o troféu das mãos de Fernanda Montenegro foi a norte-americana Gwyneth Paltrow, por sua atuação em “Shakespeare Apaixonado”.

No ano de 2004, o filme Cidade de Deus, apesar de ter ficado fora da disputa na categoria melhor filme estrangeiro, na premiação do Oscar ocorrida em 2003, o filme brasileiro surpreendeu ao receber quatro indicações para o troféu de 2004: Direção (Fernando Meirelles), Montagem (Daniel Rezende), Roteiro Adaptado (Bráulio Mantovani) e Fotografia (César Charlone).

Adriana Crisanto
Jornalista

adriana@jornalonorte.com.br
adrianacrisanto@gmail.com
Fotos: Divulgação
Matéria publicada no caderno Show do Jornal O NORTE, em fevereiro de 2007.