Palavras de Guerra cantadas por Olívia


Toda a expressividade da palavra e poética musical do cineasta moçambicano Ruy Guerra foi registrada em CD pela cantora e interprete Olívia Hime. Trata-se de “Palavras de Guerra” o mais novo trabalho da cantora produzido em parceria com seu companheiro Francis Hime.

São 17 canções com letras de Ruy para músicas de Edu Lobo, Chico Buarque, Sérgio Ricardo, Carlos Lyra e Francis Hime. As letras são ao mesmo tempo corrosivas, trôpegas, dóceis, professadas com emoção numa lírica que converge à África e a Europa num só canto que ganha a maior expressividade na voz de Olívia.

“Ruy faz parte da minha história como amigo e artista”, comentou Olívia numa breve conversa por telefone, quando ainda estava em repouso e se recuperando de uma forte crise de pneumonia que deixou a cantora acamada por quase uma semana. As músicas de “Palavras de Guerra”, em sua maioria, são das décadas de 1960 e 1970, embora traga canções de Chico, Francis, Edu e Carlos Lyra de outros tempos.

O processo de seleção das músicas é semelhante a outros trabalhos da cantora. “É como num quebra-cabeça. Vou juntando peça por peça. Para este disco primeiro selecionei 70 poemas, em seguida 40. Até chegar as 17 canções-poemas”, revelou. E nesta seleção não poderia faltar as canções compostas para o musical “Calabar”, de Ruy Guerra e Chico Buarque. Entre elas estão: Fortaleza, Tatuagem e Bárbara. A última em forma de dueto com Olívia Byington. As parceiras com Edu Lobo e Ruy estão nas canções “Jogo da Roda” e “Em Tempo de Adeus”, com a participação do poeta recitando os versos de “Tigrana”, em que diz: “A morte é um tigre paciente, me mastiga todos os segundos”.

O disco registra ainda músicas de Carlos Lyra, como a marcha-rancho “Entrudo” e inclui 10 músicas compostas em parceria com Francis Hime. Entre elas, uma inédita intitulada “Corpo Marinheiro” que traz a participação especial da cantora Nilze Carvalho.

A idéia de dedicar um álbum inteiro à poética de Ruy teve início à cerca de um ano quando a cantora foi assistir o filme “Casa de Areia”, do diretor Andrucha Waddington. “E a presença de Ruy me chamou bastante atenção. Pensava nas canções, cantarolava algumas, lembrava de outras. Foi quando recebi um e-mail de um fã me sugerindo gravar um disco com a obra de Ruy. Foram muitas coincidências juntas”, comentou a cantora.

Olívia Hime define o disco como uma história de um filme com temas recorrentes sobre o mar, o amor, a morte, a mulher. “Constantes na obra de cinematográfica do Ruy”, disse. O disco conta ainda com a participação percurssiva de Dona Edith do Prato, Nilze Carvalho, Olívia Byington, Quarteto Maogani.

A belíssima “Tatuagem” (faixa 4) de Chico Buarque em parceira com Ruy não poderia faltar. Tatuagem é uma canção que tem uma estrutura única de construção e por mais que queira colocar novos arranjos novos ela nunca deixa de ser linda. É tanto que nessa interpretação bastou apenas o piano de Francis e a voz tatuada de Olívia.

Essa não é primeira vez que Olívia Hime coloca música em poemas de outros escritores. Ela musicou o poema “Glosa” de um certo poeta português chamado Fernando Pessoa e rendeu uma homenagem a Manuel Bandeira, gravando seus poemas em um disco intitulado “A estrela da vida inteira”, que pode ser encontrado para compra no website do selo Biscoito Fino, através do endereço eletrônico www.biscoitofino.com.br.

Ela diz que sua relação com a poesia sempre foi muito forte. “Isso acaba adquirindo um peso muito grande no meu trabalho artístico”, acrescentou Olívia que comanda, ao lado da empresária Kati Almeida Braga, um dos poucos selos de música do país que ainda consegue, a duras penas, driblar a pirataria e produzir excelentes trabalhos com um custo final mais baixo para o consumidor. O selo Biscoito Fino está a seis anos no mercado e conta hoje com mais de 200 títulos de artistas que estavam até bem pouco tempo fora do circuito musical.

“Palavra de Guerra” é o resultado desse trabalho difícil que é produzir música de qualidade no país do futebol. O disco é suave e dá gosto de ouvir. É para ter na coleção e escutar depois de uma dura jornada de trabalho, numa prazerosa roda de amigos, num final de semana tranqüilo de verão, de preferência, olhando para o mar verde esmeralda da praia do Cabo Branco que em nada deixa a desejar as belas paisagens das praias do Rio de Janeiro.

Paralelo aos shows que devem acontecer em 2007 para divulgar suas “Palavras de Guerra”, Olívia Hime pretende, junto com seu marido, Francis Hime, finalizar “A Ópera do Futebol”, um novo trabalho artístico que irá conter músicas brasileiras em moldes clássicos. É aguardar e conferir. Boa audição.

Adriana Crisanto
adriana@jornalonorte.com.br

adrianacrisanto@gmail.com

Matéria publicada no caderno Show do Jornal O Norte, domingo, 11 de fevereiro de 2007

Fotos de divulgaçao da Biscoito Fino.