Bernardo e os Cabras de Pai Matheus no Cineport


Quem ainda não foi não vá correndo prestigiar o Festival de Cinema de Países de Língua Portuguesa (Cineport) que está acontecendo na Usina Cultural da Saelpa (Tambiá), em João Pessoa. O festival prossegue até o dia 13 de maio e para entrar custa apenas R$ 1,00. A programação é vasta e agrada a gregos e paraibanos.
Na última segunda-feira chuvosa em João Pessoa, o show do festival ficou por conta do pianista Bernardo Sassetti. À frente de um belo piano de calda o musicista, natural de Lisboa, desfilou um repertório eclético. A primeira peça apresentada pelo compositor foi um prelúdio em sol para piano, em que revela sua paixão pelo cinema. Da música popular brasileira o pianista destilou sua paixão pela música do Brasil e executou uma canção de Dori Caymmi e dedilhou “Nós pés da Santa Cruz” de João Gilberto.
Uma das músicas foi acompanhada pela amiga dançarina Zamélia Pentes que acompanhou Bernardo num show de contorcionismo contemporâneo. Dentro de um macaquito vermelho a moça percorreu todo tablado ao som instrumental de sua autoria. O melhor momento do show ficou mesmo por conta da apresentação do pianista com o grupo de forró paraibano “Os Cabras de Matheus”. Os gringos foram à loucura e muitos se atreverem ensaiar alguns passos.
Bernardo Sassetti começou sua carreira profissional, em concertos e clubes locais, com o quarteto de Carlos Martins e o Moreiras Jazztet. Participou de inúmeros festivais com músicos tais como Al Grey, John Stubblefield, Frank Lacy e Andy Sheppard. Desde então, nos primeiros 15 anos de carreira, apresenta-se por todo o mundo ao lado de Art Farmer, Kenny Wheeler, Freddie Hubbard, Paquito D´Rivera, Benny Golson, Curtis Fuller, Eddie Henderson, Charles McPherson, Steve Nelson, integrado na United Nations Orchestra e no quinteto de Guy Barker com o qual gravou o CD "Into the blue" (Verve), nomeado para os Mercury Awards 95- Ten albuns of the year. Em Novembro de 1997, também com Guy Barker, gravou "What Love is", acompanhado pela London Philarmonic Orchestra e tendo como convidado especial o cantor Sting.
O Cineport meio que se espalhou pela cidade e está acontecendo em vários pontos. Na Usina Cultural uma cidade do cinema foi erguida no local com três gigantescas tendas, duas galerias de arte, uma lojinha com produtos do festival e uma livraria. A programação do Cineport também está acontecendo na Universidade Federal da Paraíba (UFPB) como Encontro de Literatura em Diálogo na Língua Portuguesa, no auditório da Reitoria.
A programação do cinema infantil está com pauta certa no Cine Bangüê do Espaço Cultural José Lins do Rego, com apresentações exclusivas para crianças da rede pública de ensino. Tem ainda o Cine Volante, realizada em parceria com o governo municipal, com exibição de filmes em plena praça pública. É de encher os olhos de tanta coisa para fazer por lá. O evento conta ainda com oficinas de teatro, teledramaturgia, mesas redondas, encontros de cineclubistas e outras atividades.
Essa é a primeira vez que um evento desta natureza aporta na cidade de João Pessoa. “É raro ter um evento assim tão grande no nosso Estado. As pessoas precisam mesmo prestigiar sem falta”, disse a estudante Nayara Rodrigues que junto com os amigos da escola não perdeu ainda uma noite de filmes na Cidade do Cinema.

Adriana Crisanto
Repórter
Matéria publicada no caderno Show do jornal O Norte