Jornal em sala de aula


Com o objetivo de incentivar a leitura de jornais em sala de aula e com isso desenvolver o senso crítico dos estudantes das escolas públicas, a Rede Anhanguera de Comunicação lançou, em parceria com a Editora Papirus, o livro “Jornal: Uma Abertura para Educação” (Campinas, 2007, 115 p. R$ 36,00) assinado pelas autoras: Cecília Pavani, Ângela Junquer e Elizena Cortez.
A publicação faz parte do projeto Correio Escola de autoria do Jornal Correio Popular de Campinas, interior de São Paulo. O livro é fruto de 14 anos de encontros com jornalistas e professores doutores de várias universidades sobre a importância da leitura do texto jornalístico, de atividades propostas e experiências socializadas na mídia impressa.
Com dez capítulos, o livro (com fonte minion, miolo em off set, impressão e acabamento em paym), traz enfoques que são resultados de diferentes experiências realizadas por projetos com a leitura de jornal nas escolas, de reflexões sobre encontros em eventos, fóruns e seminários realizados por professores e empresários de comunicação.
De acordo com as autoras da obra, a intenção, desde o início, foi promover o estreitamento das relações professor, jornalista e leitores, e com isso extrair dos profissionais, verdadeiramente comprometidos com o sujeito-leitor vozes, emoções, sentimentos e ações.
Vivemos em um período altamente comunicativo, em que internalizamos e exprimimos em nossos comportamentos, valores e decisões. Publicações como está deveria ser copiada por vários veículos de comunicação, principalmente neste atual momento, em que tanto a mídia impressa como, a televisão, o rádio e a internet (webjornalismo) sofrem com os constantes ataques da sociedade pela maneira como controlam e planificam a comunicação.
Na outra ponta do novelo comunicativo estão as escolas e os educadores que estão aprendendo a usar o jornal como ferramenta de trabalho na sala de aula. O livro também traz opiniões dos profissionais de jornalismo do Correio Popular. Eles foram convidados para expressar suas idéias a respeito do papel do jornalismo na educação.
O professor da Faculdade de Educação da Unicamp, Ezequiel Theodoro da Silva, disse que o cenário nacional na esfera da leitura da palavra escrita é um dos mais drásticos e vergonhosos. De acordo com ele, há uma dívida social muito grande dos governos para com o direito da informação para a população.
A publicação se preocupa, principalmente, com os leitores e dedica um capítulo inteiro a reflexão sobre as vozes que calam e o leitor que deveria governar a leitura do jornal. Além de citar os vários gêneros do discurso na imprensa, o jornal fala também da importância da hemeroteca pessoal e virtual e do jornalismo on line.
Um dos aspectos interessantes do livro é um pequeno trecho que aborda sobre a internet como meio de comunicação e publicação. Hoje um número crescente de professores desenvolve projetos e atividades com o apoio da internet. Mas, a grande maioria das escolas e dos professores ainda estão tateando sobre como utilizá-la adequadamente. Muitos precisam avançar na exploração das possibilidades que a web possui, uma delas é a pesquisa. Tanto a escola quanto o educador precisam sair do mundo em que se encontram, ampliar e experimentar através da comunicação.
“Jornal: Uma abertura para educação” apresenta um debate sadio sobre a relação educação-escola-jornal. Po vezes esquenta o debate, põe junto diferentes produtores de informações e conhecimentos, apresenta ainda subsídios preciosos para um planejamento de ensino em que o jornal, e tudo aquilo o que ele possui de idiossincrático, e que enriquece o ensino-aprendizagem dos estudantes nos vários níveis de escolarização. O leitor não encontrará apenas visões sobre o que fazer jornalístico e pedagógico, mas também exemplos de como as diferentes seções de um jornal podem ser transformadas em unidades significativas de leitura e escrita na escola.

Sobre as autoras

Ângela Cristina Loureiro Junquer é formada em Letras pela PUC-Campinas. É professora de língua portuguesa na rede estadual de ensino de São Paulo. É co-autora do livro Jornal: (In) formação e Ação (Papirus).

Cecília de Godoy Camargo Pavani é graduada em Letras, com especialização em língua e literatura inglesa. Mestrado em Jornal e Educação, na área de psicologia escolar, pela PUC-Campinas. Coordenadora do Projeto Correio Escola da RAC desde 1992. É membro do Comitê de Leitura e Circulação da Associação Nacional de Jornais (ANJ). Também é co-autora do livro Jornal: (In) formação e Ação (Papirus).

Elizena Durvalina de Souza Cortez é graduada em Geografia, Estudos Sociais, Pedagogia, com especialização em Administração Escolar pelo Unifeg. É professora de geografia da rede particular de ensino do Estado de São Paulo. Co-autora do livro Jornal: (In) formação e Ação (Papirus).

Serviço:
Lançamento: Jornal – Uma abertura para a educação

Autoras: Ângela Cristina Loureiro Junquer, Cecília de Godoy Camargo Pavani e Elizena Durvalina de Souza Cortez
Editora Papirus – Campinas - SP
115 páginas - 2007
R$ 36,00.
Adriana Crisanto
Repórter
Matéria publicada no caderno Show do Jornal O Norte, em agosto de 2007.