Cancioneiro Vinícius de Moraes


As mais belas canções de Vinicius de Moraes estarão dispostas agora num bem produzido songbook. Trata-se do lançamento, em várias Capitais do país, da edição “Cancioneiro Vinícius de Moraes – Biografia e obras selecionadas”, que conta com o apoio da Lei Federal de Incentivo à Cultura.
O produto, de acordo com os assessores do Ministério da Cultura (MinC), mescla arte com biografia, e está dividida em duas partes. A obra traz introdução de Eucanaã Ferraz, texto da contracapa de Chico Buarque, transcrição e edição dos textos por Maria Lucia Rangel, desenhos de Carlos Leão e coordenação editorial e direção de arte de Elianne Canetti Jobim.
A primeira parte tem 176 páginas, de autoria de Sérgio Augusto, e relata a vida do poeta que, além de músico, também foi diplomata e jornalista. Constam ainda entrevistas e cartas inéditas escritas para familiares e amigos. A outra parte, com 304 páginas, coordenada por Paulo Jobim, é um volume de arranjos (songbook) para piano de sua obra musical. Ao todo, são 57 composições.
Parte dos documentos foi pinçada de acervos como o da Fundação Casa de Rui Barbosa (instituição vinculada ao Ministério da Cultura) e o do Instituto Antonio Carlos Jobim. Mas a maioria do material inédito saiu dos acervos de parentes de Vinícius.
O lançamento oficial da obra será no dia 12 de setembro, no Rio de Janeiro, e de acordo com a assessoria, estarão presentes Susana Moares (filha de Vinicius), que apresentará a edição, e os coordenadores do projeto, Sérgio Augusto, Paulo Jobim e Ana Lontra Jobim. O poeta carioca Eucanaã Ferraz fará a leitura de textos de Vinicius.
Se fosse vivo Vinicius de Moraes completaria, agora em outubro, 94 anos. Marcus Vinícius da Cruz e Mello Moraes nasceu, em meio a um forte temporal, na madrugada de 19 de outubro, no Rio de Janeiro. Aos nove anos de idade parece que pressente seu cunho poético e vai com a irmã Lygia a um cartório no centro carioca, com o propósito de alterar seu nome para Vinícius de Moraes.
A mãe, Lydia Cruz de Moraes, era uma excelente pianista, e ao lado do pai, Clodoaldo Pereira da Silva Moraes, poeta bissexto, Vinícius desenvolveu sua criatividade, passando pela literatura, teatro, cinema e música.
Na música, o Poetinha (como ficou conhecido) teve Tom Jobim, Toquinho, Baden Powell e Carlos Lyra como principais parceiros. Seu primeiro registro como letrista aconteceu em 1928, quando compôs Loura ou Morena, junto com Haroldo, um dos Irmãos Tapajós, conjunto que popularizou a música em gravação de 1932.
Vinicius de Moraes faleceu numa manhã de julho de 1980, em sua casa na Gávea, em companhia de Toquinho, seu mais constante parceiro, e de Gilda, sua última companheira. Saiba mais sobre a vida e a obra do poeta e compositor no site http://www.viniciusdemoraes.com.br/.


Adriana Crisanto
Repórter
Matéria publicada no caderno Show do Jornal O Norte.