Livro da Editora Universitária da UFPB é adotado no Timor Leste


A coletânea foi organizada pelo professor do Departamento de Educação Física da Universidade Federal da Paraíba, Jorge Fernando Hermida, e reúne textos de vários educadores nordestinos

Depois de ter sido lançado em várias capitais do país com enorme sucesso o livro “Educação Infantil Políticas e Fundamentos” (Ed. Universitária da UFPB, 2007, p.296), organizado pelo professor do Departamento de Educação Física da Universidade Federal da Paraíba (DEF/UFPB), Jorge Fernando Hermida, será adotado na República Democrática do Timor Leste.

A obra faz parte de uma das ações do programa do Banco do Nordeste do Brasil de Cultura (BNB), edição 2007, que consiste também na promoção de palestras, oficinas e seminários gratuitos para professores e estudantes de educação. Surpreso com a indicação de sua obra o professor Jorge Fernando Hermida recebeu a notícia com grande alegria através do professor cooperante brasileiro Everaldo Freire (um dos autores presente na coletânea).

O atual chefe do Departamento de Formação dos Professores das Séries Iniciais (DFPSI) do Timor Leste, professor Lourenço Marques da Silva, ao ter em mãos o exemplar prontamente sugeriu que a publicação fosse adotada nos cursos de formação de professores do país. “O departamento sempre enfrenta casos de carência de recursos materiais educativos dentro do processo de formação dos novos candidatos a professores para o futuro de Timor Leste”, disse o chefe Lourenço Marques em carta encaminhada ao professor Hermida.

O DFPSI da Universidade Timor Lorosa “E” foi criado após o fim da guerra da independência no mês de junho de 2005 por professores timorenses, lusitanos e brasileiros. O diretor do DFPSI está preocupado com a escassez de material educativo de língua portuguesa para os educadores da região, pois, em sua opinião, eles representam a continuidade e difusão da língua portuguesa e brasileira no Timor. Na carta o diretor diz ainda que outras propostas de cooperação pedagógica e doação de livros idêntica foram realizadas no Instituto Camões (ICA), Fundação das Universidades Portuguesas (FUP) e Embaixada de Portugal em Dili, mas até a presente data nenhuma resposta foi dada.

A Pró-Reitora de Extensão e Assuntos Comunitários da UFPB, a professora Lúcia Guerra, que coordena de perto vários projetos, comentou que ações como a do professor Jorge Hermida além de desenvolver atividades de extensão, com palestras, oficinas, mini-cursos em estados do país abre mais uma frente de expansão nas relações internacionais da universidade.

Apesar de todo sucesso da ação educativa-cultural o professor Jorge Fernando Hermida está sem passagens áreas para ir ao Timor Leste representar o Brasil e desenvolver a ação. “Acredito que o poder político apoiará a iniciativa, uma vez que está ação interessa a nossa universidade e ao Estado”, acrescentou.

Essa é também a primeira vez que um livro produzido na Editora da UFPB é solicitado para ser adotado fora do país. O diretor da Editora Universitária, José Luiz da Silva, diz que mais uma vez a UFPB cumpre a sua função social enquanto instituição de ensino. “O papel que está cumprindo a Editora Universitária da UFPB na gestão do diretor José Luiz da Silva ocupa um lugar central neste processo. Por um lado, ele fez com que a editora fosse o protagonista principal ao fazer dela uma célula da instituição socialmente responsável no processo de difusão da produção acadêmica e da cultura nordestina. Por outro, o diretor José Luiz sempre teve claro que a difusão cultural a preços acessíveis é mais importante que a difusão de produtos culturais regida por interesses do mercado. É por isto que minhas obras são publicadas nesta editora”, concluiu Jorge Fernando Hermida.

A obra

“Educação Infantil: Políticas e Fundamentos” é uma coletânea de textos sobre educação infantil organizado pelo professor Jorge Fernando Hermida com textos escritos por conceituados professores de educação do país, que discutem sobre todos os aspectos que envolvem a educação infantil, a partir de experiências desenvolvidas no nordeste brasileiro.

A publicação está dividida em duas partes. Na primeira, os textos tratam da importância e condição da criança como sujeito de direito e, em igual medida, a importância da educação na vida da criança. Também são analisadas as contradições, as especificidades e as perspectivas que caracterizam a educação, com ênfase à contribuição que os movimentos sociais realizaram e ainda realizam, e que é vital para o desenvolvimento deste setor de ensino.

Participam da coletânea os educadores: Antônio Luiz Alencar Miranda, Benito Almaguer Luaiza, Clidiane Maurício dos Santos, Everaldo José Freire, Francisca Ferreira dos Santos, Francisco de Assis Carvalho de Almada, Heloisa Cardoso Varão Santos, Jeiel Maria Lucena da Silva, João Ricardo Pereira da Silva, Klébia Maria Ludgério, Roberto Mauro Gurgel Rocha, Márcia Maria Rocha Martins, Miguel Daladier Barros, Nadja Calábria, Roberto Luis Renner, Shirlane Maria Batista da Silva Miranda. O texto de apresentação é de autoria da professora Terezinha Diniz.

Todos os textos abordam assuntos vinculados com a legislação brasileira que trata da educação em geral, e em especial, da educação infantil, assim como, da eficácia dessa legislação frente aos desafios enfrentados ao longo dos anos pela educação no Brasil.

Nesta primeira parte se encerra com um texto que procura respostas para os seguintes questionamentos: É possível conciliar o projeto de formação para a cidadania com uma proposta educativa desvinculada de uma teoria crítica de educação? A quem interessa o discurso de inutilidade da pedagogia no cotidiano das instituições de ensino? A partir desses questionamentos se discute a importância da pedagogia, especialmente na sua tendência crítico-social, nas tarefas de cuidar/educar na educação infantil.

A segunda parte da publicação está constituída de dez textos, que versam sobre temas, saberes e conteúdos que imprescindíveis para a formação da educação infantil, a exemplo da cultura corporal, lúdica, leitura, letramento, ética e formação de professores, televisão e criança, gestão escolar e educação e cuidados para crianças.

Todos os artigos entendem a infância como uma categoria social e histórica, um período da história de cada um que, na nossa sociedade, estende-se do nascimento até aproximadamente os 10 anos de idade, e as crianças como sujeitos históricos e sociais, marcadas pelas características e contradições das sociedades em que estão inseridas. Enquanto sujeitos históricos e sociais, as crianças produzem cultura, ao mesmo tempo em que elas são produzidas pela própria cultura na qual estão socialmente inseridas.

Ao considerar a educação como uma comunicação entre seres humanos em graus diferentes de maturidade, os saberes supracitados passam a ser fundamentais para o processo de constituição da personalidade das crianças e do mundo da cultura. Na construção do mundo do humano, e do mundo da cultura, a categoria mediação ocupa um lugar central. Desta maneira, a coletânea de textos e os cursos de aperfeiçoamento procuram contribuir para a melhoria da qualidade da educação de nossa região.

Sobre o organizador

Naturalizado brasileiro, o professor Jorge Fernando Hermida nasceu de Montevidéu, República Oriental do Uruguai. É professor de Educação Física da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Doutor em História, Filosofia e Educação na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). É pós-doutorando no Departamento de Sociologia da Universidade de Salamanca (Espanha). Suas principais áreas de atuação são Educação Infantil, Ciência Política e Política Educacional. São de sua autoria os livros: A Reforma Educacional no Brasil (Editora UFPB/2006), A Educação na Era FHC: fundamentos filosóficos e políticos (Editora UFPB/2006) e Educação física e Saber Escolar (no prelo).

Timor Leste

A República Democrática de Timor-Leste é um dos países mais jovens do mundo, e ocupa a parte oriental da ilha de Timor na Oceania, além do enclave de Oecussi-Ambeno, na costa norte da banda ocidental de Timor, da ilha de Ataúro, a norte, e do ilhéu de Jaco ao largo da ponta leste da ilha. As únicas fronteiras terrestres que o país tem ligam-no à Indonésia, a oeste da porção principal do território, e a leste, sul e oeste de Ocussi, mas tem também fronteira marítima com a Austrália, no Mar de Timor, a sul. Sua capital é Díli, situada na costa norte.

Conhecido como Timor Português, foi uma colônia portuguesa até 1975, altura em que se tornou independente, tendo sido invadido pela Indonésia três dias depois. Permaneceu considerado oficialmente pelas Nações Unidas como território português por descolonizar até 1999. Foi, porém, considerado pela Indonésia como a sua 27.ª província com o nome de "Timor Timur". Em 30 de agosto de 1999, cerca de 80% do povo timorense optou pela independência em referendo organizado pela Organização das Nações Unidas.

A língua mais falada em Timor-Leste é o tétum. Devido à recente ocupação indonésia, grande parte da população compreende a língua indonésia (erradamente chamada por vezes bahasa, que significa língua), e agora uma grande maioria está aprendendo a escrever e estudar a língua portuguesa brasileira.

Geograficamente, o país enquadra-se no chamado sudeste asiático, enquanto do ponto de vista biológico aproxima-se mais das ilhas vizinhas da Melanésia, o que o colocaria na Oceânia e, por conseguinte, faria dele uma nação transcontinental.

Serviço:
Educação Infantil – Políticas e Fundamentos

Jorge Fernando Hermida (organizador)
Editora Universitária da UFPB
Ano 2007
296 páginas.

Adriana Crisanto
Jornalista – DRT/PB – 1455/o2-99
Crédito das Fotos: Divulgação do autor