"Velta" chega aos 35 anos


Emir Ribeiro lança outro volume da série da loira mais cobiçada do quadrinho paraibano

Continuando a saga da dama Velta, o quadrinista Emir Ribeiro lançou este mês em parceria com Rubens Francisco Lucchetti outro volume da série Velta, obra mais famosa do desenhista. O mestre de Velta teve seu primeiro sucesso de público e crítica em 1973, quando lançou pela primeira vez seu primeiro personagem, a jovem detetive Kátia Maria Farias Lins (Velta), com quase 18 anos na época, de olhos azuis, loira, pele branca, 2,20 metros de altura.

Uma personagem dotada de poderes especiais e disparava raios bio-energéticos sob forma luminosa, coerente, elétrica ou explosiva, por qualquer parte do corpo. Tem regeneração celular acelerada e alta imunidade às doenças. Pele resistente ao calor. A jovem era usada como cobaia da experiência de um inescrupuloso extra-terrestre de quem salvou a vida, Kátia é modificada geneticamente por uma máquina mental, que a permite, quando quiser, se transformar numa loura gigante que dispara raios pelo corpo.

A musa do quadrinista tem traços perfeitos, extremamente arredondados, recheados. Velta é o que os homens chamam de “mulherão”. Com olhos azuis, boca vermelha, seios fartos, cintura de pilão, pernas torneadas, cabelos longos louros, quadril avantajado e o que é melhor; nenhuma celulite. As roupas são mínimas e sensuais, com botas cano longo e luvas que usa para dirigir sua motocicleta. Esteticamente perfeita, aos olhos de muitos fãs, a moça caiu na graça e foi publicado em suplementos de quadrinhos que existiam em alguns jornais periódicos de João Pessoa, coordenado por Deodato Borges, outro grande quadrinista.

Nesta edição de 35 anos os desenhos são de Emir Ribeiro e o texto é de Rubens Francisco Lucchetti, uma dos mais importantes autores brasileiros. Foi o roteirista de vários filmes de Zé do Caixão. Produziu vários roteiros HQs de terror que foram desenhadas por grandes mestres da HQ nacional, a exemplo de Eugênio Colonnese, Flávio Colin e Nico Rosso. Lucchetti é autor de 1.500 livros de bolso, em que utilizou vários pseudônimos. No cinema, estreou na década de 1960, em parceria com Bassano Vaccarini. Roteirizou ainda “O Segredo da Múmia”, “As 7 Vampiras”, “O Escorpião Escarlate”, dirigidos por Ivan Cardoso. Ele é o autor do livro “No Reino do Terror” e atualmente prepara o lançamento de mais duas publicações: O Cinema de R. F. Lucchetti, O Filho de Satã, Fantasmagorias e a coletânea de quadrinhos A Múmia, com desenhos de Júlio Shimamoto.

Já Emir Ribeiro iniciou seus trabalhos com quadrinhos aos 8 anos de idade, fazendo histórias para o círculo familiar e amigos próximos. Em 1973, criou e lançou Velta, sua criação maior, no jornal mural O Comunicador, do Colégio Estadual de Jaguaribe.

Em 1975 começou a publicar nos jornais A União e O Norte, de circulação estadual, lançando outros personagens, além de Velta, como o índio Itabira (1975, em parceria com seu pai, Emilson Ribeiro), a andróide Nova e O Desconhecido Homem de Preto (estes dois últimos em 1976). Em 1978 começou a editar revistas por conta própria e colocá-las nas bancas de três estados nordestinos. O currículo do camarada é extenso. Editou cerca de quinze revistas independentes, sendo o mais recente o álbum 25 anos de Velta (1998).

Em 1980 começou a publicar quadrinhos no jornal O Correio da Paraíba, também de circulação estadual. No decorrer da carreira, participou de várias exposições em João Pessoa, PB, em outros estados como São Paulo e Rio de Janeiro, e na Europa (França). Entre 1985 e 1991, publicou trabalhos da linha erótica e terror em editoras de São Paulo, como Press/Maciota, Nova Sampa e ICEA.
Em 1989, escreveu, dirigiu, atuou e produziu o vídeo O Desconhecido Homem de Preto, sobre o personagem lançado em jornais paraibanos em 1976. O filme teve boa repercurssão local e nacional, tendo sido comentado pela revista de cinema Cinemix, o programa Documento Especial, da TV Manchete-Rio, o jornal Folha de São Paulo e foi exibido em grandes eventos de quadrinhos, como a I Bienal Internacional de quadrinhos do Rio de Janeiro.

Em 1993 começou a fazer trabalhos para editoras dos Estados Unidos, na trilha do seu conterrâneo Deodato Borges Filho, o Mike Deodato Jr. , em personagens conhecidos como O Incrível Hulk e Os Vingadores, ou pouco conhecidos como Glory, Avengelyne, Prophet e Os Protetores, entre outros.

A maioria dos trabalhos exportados tem sido como arte-finalista fantasma, onde não lhe foi dado o devido crédito, por parte dos editores e, em algumas ocasiões, levou a "alcunha" de Deodato Studios. Naquele mesmo ano de 1993, produziu o segundo vídeo: A volta do Homem de Preto, que chegou a ser exibido na TV Cultura de Minas Gerais.

Publicou história colorida de Velta na revista Metal Pesado #6 e, ultimamente, teve uma revista formatinho com Velta, lançada pela editora Escala (2002), o álbum Velta contra o Devorador (Editora Opera Graphica, 2002), o livro História da Paraíba em Quadrinhos (independente, 2003) e o outro álbum 30 anos de Velta (Opera Graphica, 2003).
Recentemente montou uma página na internet onde disponibilizou sua produção. O endereço eletrônico é o www.emirribeiro.com.br . Lá o internauta vai encontrar lista de atalhos para os personagens, como comprar as edições anteriores, galeria de fotos, notícias e falando sobre toda produção.

Adriana Crisanto
Repórter
adriana@jornalonorte.com.br
adrianacrisanto@gmail.com
Fotos: Divulgação