"Caos" em forma de canção

Ricardo Anísio (esq.) e Flávio Tavares

O caos é constantemente visto, escutado e lido no mundo real através da mídia. Na poesia o caos agora é retratado de várias formas na obra “Canção do Caos” (Forma Editora: João Pessoa, 2008, 112 p. R$ 20,00) de autoria do jornalista e crítico musical Ricardo Anísio que terá lançamento oficial nesta quinta-feira (17), às 20h00, no Terraço Brasil, localizado na Avenida Cabo Branco, logo após o Tererê, na praia do Cabo Branco.

“Canção do Caos” é o terceiro livro da trilogia do autor que traz o seu mundo, o seu caótico por meio da linguagem poética. O caos gerado nos poemas de Ricardo Anísio representa funções que nem mesmo ele, talvez, tenha consciência do que seja neste exato momento de sua vida. São ao todo 78 poemas e o engraçado é que ainda dizem que ele não escreve poesias. Quem sabe ele não escreva do jeito que Mário Quintana ou Augusto dos Anjos escreviam, mas não deixa de ter a estrutura da poesia a sua maneira.

O livro, como nos anteriores, tem ilustrações de um artista plástico local. O escolhido desta vez foi nada mais nada menos que o mais cobiçado artista plástico do Estado da Paraíba, o famoso Flávio Tavares. O prefácio é assinado pela professora de Letras da PUC do Recife (PE), Haidée Camelo Fonseca. O texto de abertura é do escritor pernambucano Luiz Berto, autor do romance da Besta Fubana e Memorial do Mundo Novo (Este último Berto não ambientou em Palmares, mas tenta explicar como funcionam as elites corruptas do Brasil moderno que se instalaram no Cabo de Santo Agostinho).

A obra literária traz ainda depoimentos nas orelhas do poeta e contista Ronaldo Monte, do poeta e ensaísta Sérgio de Castro Pinto, de Juca Pontes e do poeta e artista plástico W. J. Solha que prefaciou o segundo livro da triologia “Canção do Fogo” (Editora Bagaço).

Na Canção do Caos os poemas são curtos e longos. Neles Ricardo Anísio apresenta pequenas sutilezas de seu mundo familiar: o menino, o filho dedicado, a mãe, a perda do pai. E como não poderia deixar de ser no caos do poeta tem a morte, a dor, a saudade, a fome, a sede, o adeus, a queda, a falta, o errado e tudo aquilo, que na visão dele, representa o vazio primordial, ilimitado e indefinido, que precedeu e propiciou o nascimento de todos os seres e realidades do universo.

Essa mistura de idéias faz do trabalho, antes de tudo, uma obra de arte poética. O caos é um objeto metafórico usado pelo autor para dizer o quanto sua vida, naquele determinado momento, se encontrava em estado caótico e conturbado. Foram três momentos poéticos distintos: A Canção do Fogo representando seu nascimento, a Canção do Abismo, momento em que o autor abandona o álcool e agora Canção do Caos que culminou com a perda do pai.

Para quem convive com Ricardo Anísio, em ambiente de trabalho, sabe o quanto ele é visceral (para usar um termo dele) em tudo que faz, diz e escreve. E neste momento não poderia deixar de ser diferente. “Respeito muito à crítica, mas não é para eles que escrevo”, diz ele ao se referir a crítica especializada.

O livro foi lançado em Recife (PE), no Shopping Sítio da Trindade, localizado no bairro de Casa Amarela, na semana passada. Em conversa por telefone, numa tarde de domingo chuvosa, ele disse que depois da Canção do Abismo vai dar uma parada temporária nas publicações poéticas e se dedicar a música do qual tem domínio. “Pretendo lançar ‘Conversando sobre Música’, um livro de crônicas musicais com CD encartado”, comentou Ricardo Anísio. Os fonogramas deste novo trabalho tiveram o aval de nomes como: Elba Ramalho, Geraldo Vandré (seu grande ídolo), Geraldo Azevedo e tantos outros nomes da música popular brasileira. É esperar para conferir.

Sobre o autor:

Ricardo Anísio é natural de João Pessoa (PB). Começou a escrever sobre música para jornais locais. Publicou aos 20 anos seu primeiro livro de poemas intitulado “Em cada canto, um verso”. Vinte e sete anos mais tarde lançou o livro de poesias “Canção do Abismo” pela Editora Universitária da UFPB. Em 2005 lançou “MPB de A a Z” (Editora Idéia). No ano passado lançou o segundo livro da trilogia “Canção do Fogo” (Editora Bagaço de PE). No prelo se encontra o livro de crônicas musicais “Conversando sobre Música”. Atualmente é jornalista e critico musical do Jornal O Norte (Grupo Diários Associados Paraíba).

Serviço:
Lançamento: A Canção do Caos (poesia)
Autor: Ricardo Anísio
Editora Forma - João Pessoa – PB
112 páginas
Preço: R$ 20,00
Data: Quinta-feira (17)
Hora: 20h00
Local: Terraço Brasil – Praia do Cabo Branco


Adriana Crisanto
Repórter
adriana@jornalonorte.com.br
adrianacrisanto@gmail.com
Fotos: Divulgação