O príncipe lê jornais


O cotidiano e o poder no jornalismo impresso foram os temas centrais abordados no primeiro volume do livro “O Príncipe Lê Jornais” (Ed. Marcas de Fantasia, Série Veredas. 100 p. 2008. R$14,00) a nova publicação do Grupo de Pesquisa sobre o Cotidiano e o Jornalismo da Universidade Federal da Paraíba (Grupecj/UFPB) que será lançado oficialmente nesta sexta-feira (25), a partir das 19h30, no Casarão Philipéia, localizado no centro histórico de João Pessoa. A apresentação do livro será feita pelo professor de literatura e jornalismo Hildeberto Barbosa Filho. Logo após a cantora Geanne Lima e o violonista Fabiano Silva, profissionais recém-chegados ao grupo mostram seu talento para música.

Na mesma ocasião a jornalista de mestranda em sociologia Viviane Marques Guedes estará lançando o livro “O visível silêncio e a política Fosca” (Editora Elógica Press, Olinda, 159 p.). Os lançamentos marcam as comemorações de seis anos do Grupecj.

O Príncipe Lê Jornais foi organizado pelo professor Doutor Wellington Pereira e conta com ensaios de autoria de Jorge Fernando Hermida, Adriana Crisanto Monteiro, Viviane Marques, Ana Carolina Porto, Daniel Abath, Hildeberto Barbosa Filho e do próprio organizador. Para compor os textos que hora se faz presente nesta edição os pesquisadores, orientados pelo coordenador do grupo Wellington Pereira, selecionaram jornais e a partir destes passaram a analisar e fazer reflexões com base nos teóricos que falam sobre a questão do poder.

O resultado é impressionante. Os textos não são foram produzidos apenas na tentativa de realizar uma melhor apreensão sobre o poder e a comunicação, mas um entendimento profundo do que ocorre na prática jornalística.

O ensaio de abertura é de autoria do professor Doutor Jorge Fernando Hermida. Nele o autor faz um passeio pelas obras de vários escritores que falam sobre o poder, a exemplo de Maquiavel, Marx, Bobbio, István Meszaros, Habermans entre outros.

O estudante e bolsista do projeto do Grupecj, Daniel Abath, no seu ensaio “A vontade de potência nos sujeitos semióticos” observa que o acesso no discurso de certas fontes e a forma como os jornais diários se apropriam das falas e dos atores sociais. “O discurso cria uma forma cotidiana de abordagem das notícias, que se preocupa muito mais em legitimar o discurso do poder do que retratar as reais injunções cotidianas da sociedade civil”, comentou Abath.

A ensaísta Viviane Marques no seu texto “A institucionalização do poder simbólico” diz que a presença do poder está presente mesmo nas simples conversas entre interlocutores, mesmo que não seja na medida persuasiva.

Com receio de negligenciar a pluralidade de poderes existentes no jornalismo, a ensaísta Ana Carolina Porto, no texto “O jornalismo e seus poderes”, buscou no teórico Neveu subsídios que dessem conta da amplitude que é o poder no jornalismo paraibano. A autora não apenas enquadra um objeto na teoria, mas constrói ao longo texto conceitos sobre o poder, um verdadeiro exercício produtivo e criativo.

A jornalista Adriana Crisanto Monteiro no texto “Fragmentos sobre o poder e jornalismo” chama atenção para questões ideológicas que envolvem o poder no cotidiano dos meios impressos e traz um pouco de sua prática jornalística para dentro de suas análises, provando que a prática e a teoria podem caminhar juntas e mostrando ainda que os modos de exercer o poder no jornalismo são múltiplos, indo da persuasão até a coersão.

Em depoimento final o professor de ética e de direito à informação, Hilbeberto Barbosa Filho, comenta sobre o trabalho que vem sendo desenvolvido com muito ardor e paixão pelo Grupecj e finaliza dizendo: “Penso que o grupo ganha visibilidade, expandindo suas ressonâncias cognitivas, não somente na ingerência de sua formalização, dos seus encontros, daquilo que o constitui como corpo físico palpável, mas, sobretudo, no que deixa de provocação reflexiva, de conteúdo teórico, de aventura epistêmica”.

A obra foi editada pela Editora Marca de Fantasia do professor Doutor Henrique Magalhães e pode ser encontrada para venda no site da editora, através do endereço eletrônico: www.marcadefantasia.com.br .

O visível silêncio e a política fosca

O livro “O visível silêncio e a política fosca” (Olinda: Elógica Press, 159p), de autoria da jornalista e mestranda em Sociologia pela UFPB, Viviane Marques Guedes é resultado da pesquisa monográfica em jornalismo realizada por ela no ano 2005. A pesquisadora apresenta uma discussão sobre o conteúdo opinativo da imprensa pessoense em relação ao processo eleitoral do ano de 2004 na cidade de João Pessoa.

A pesquisa busca compreender quais os modos de silenciamento presentes na palavra oficial, ou seja, nos editoriais, dos periódicos Correio da Paraíba, Jornal da Paraíba, O Norte e A União durante o período que antecedeu as eleições municipais na capital paraibana. Como suporte teórico-metodológico para as análises desenvolvidas no livro, a pesquisadora recorre às teorias da Comunicação, a exemplo dos princípios do agenda setting e da espiral do silêncio, bem como vale-se do método de análise do discurso para desenvolver a investigação dos editoriais selecionados para o estudo.

Para Viviane Marques estudar o jornalismo impresso representa uma atividade de grande importância na compreensão de como o cotidiano apresenta-se no discurso, na linguagem. “Algo que requer afinco e extrema dedicação por parte do pesquisador, pois ele deve se valer, em suas análises, não apenas do que vê, ou lê, mas do que percebe nas entrelinhas dos dizeres”, disse.

A autora é integrante, desde 2002, do Grupo de Pesquisa sobre o Cotidiano e o Jornalismo (Grupecj), coordenado pelo professor Wellington Pereira. Junto ao Grupecj, Viviane Marques já publicou, em co-autoria, os livros: Leituras do cotidiano (2002); O trabalho de Sísifo: jornalismo e vida cotidiana (2004) e Epistemologias do caderno B (2006).

GRUPECJ – Seis anos dedicados à pesquisa em comunicação

O Grupo de Estudos sobre o Cotidiano e Jornalismo (Grupecj) surgiu no ano de 2002. Foi idealizado pelo professor doutor Wellington Pereira, que recém chegado de seu doutorado na França, sentia a necessidade de maiores discussões sobre pesquisa na área de comunicação e engajamento por parte dos professores e estudantes do curso. Reuniu um pequeno grupo de alunos e ex-alunos para estudar, pesquisar e analisar sobre todas as questões que envolvesse a comunicação social, em especial o jornalismo.

O grupo conta com a participação de alunos da graduação em jornalismo, ex-alunos, da Pós-Graduação em Sociologia e Comunicação Social (cursos da UFPB) e profissionais da imprensa paraibana.

Nestes seis anos de existência o grupo publicou: Leituras do Cotidiano (Editora Manufatura, 2002), O Trabalho de Sísifo – jornalismo e vida cotidiana (Editora Manufatura, 2004), Epistemologia do Caderno B (Editora Manufatura, 2006) e mais agora O Príncipe Lê Jornais – cotidiano e poder nos jornalismo impresso (2008).

O Grupecj é hoje um dos grupos de estudo de maior referência no país nos estudos sobre jornalismo. Neste período o grupo já promoveu seminários e foi um dos selecionados na carteira professor de graduação do Programa Jornalismo Cultural 2007/2008 do Rumos Itaú Cultural, como o projeto Epistemologia do Caderno B.

Sobre o organizador

Wellington José de Oliveira Pereira é professor do Departamento de Comunicação da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), programa de Pós-graduação em Sociologia e do programa de Pós-graduação em Comunicação Social da UFPB. É doutor em Sociologia pela Université Paris V, Sorbonne. Graduado em Jornalismo e mestre em Literatura também pela UFPB. É autor dos livros: As possibilidades do róseo (1982), O beijo da noiva mecânica: ensaio sobre mídia e cotidiano (2002), Chanel 19: histórias no feminino (2000), Diário de um Zappeur (2006), Vovó nos protege? – histórias infantis para gente grande (2006). É o organizador das coletâneas: Leituras do Cotidiano (2002), O Trabalho de Sísifo – jornalismo e vida cotidiana (2004), Epistemologia do caderno B (2006).

Serviço:
Lançamento 1: O Príncipe Lê Jornais (ensaios)
Organizador: Wellington Pereira
Editora Marcas de Fantasia
Série Veredas.
100 p.
Ano: 2008
Preço: R$14,00

Lançamento 2: O visível silêncio e a política fosca
Autora: Viviane Marques Guedes
Editora Elógica Press
Ano: 2008, 159p
Onde: Casarão Philipéia – Centro Histórico
Hora: 19h30