Glamour rock em alta


O glamour rock paraibano está em festa. É que a banda Star 61 foi classificada na eliminatória nordeste do maior concurso de bandas do Brasil, o Guaraná Antártica Sound (Gás Sound), uma espécie de reality show de bandas e lança neste sábado (27), a partir das 23h30, na Ksa Rock (centro histórico), o mais o terceiro EP intitulado “Você não sabe o que perdeu”.

A Star 61 concorreu com cerca de dois mil grupos de rock de Recife, Belo Horizonte, Brasília, São Paulo e Porto Alegre. Eles ficaram entre as 50 selecionadas. Após o lançamento, no domingo, o grupo segue para Recife onde gravam sua participação, na segunda-feira, dia 29 de setembro. A participação oficial da banda inclui takes de bastidores, ensaios, imagens oficiais e um mini documentário contando a trajetória da banda que será gravado na noite do show de lançamento.

A banda vencedora do Gassound Antártica grava e lança um CD pela gravadora Deckdisc e apresenta um mega show, onde divide palco com uma banda de renome nacional a ser escolhida pela produção do festival.

A Star 61 surgiu em 2003. Foi criada por Flaviano André (vocal, letras, músicas, violão e guitarra). Após algumas mudanças têm hoje em sua formação Thiago Sombra (baixo), Ruy (bateria), Rieg Wasa (guitarra) e Herlon (teclados). Desde que a banda surgiu apostam na idéia simples e funcional de Flaviano, em sintetizar experiências, encontrando no feeling os elementos essenciais para suas composições.

As influências vêm de nomes como David Bowie, T-Rex, Secos e Molhados e muita atitude rock. Assistir a uma apresentação do Star 61 é algo imperdível pela irreverência do vocalista que já subiu vestido de noiva, de gueixa, com unhas pintadas e vestido de plumas.

O grupo participou do Festival Música Alimento da Alma (MADA), em Natal (RN), onde foi apontado pela imprensa nacional como revelação do festival, do Abril Pro Rock (PE), foi vencedor da etapa Recife do Claro Q é Rock, que por sinal, é um capítulo a parte na história da banda, pois além de embolsar 15 mil reais em instrumentos musicais a banda participou da final do concurso em São Paulo, abrindo as portas para bandas do porte de Sonic Youth, Nine Inch Nails e Iggy Pop. Como se não bastasse o grupo Star 61 foi indicado ao prêmio Dynamite de Música Independente, na categoria Banda Revelação 2005.

Sobre o concurso – O Gas Sound é hoje o concurso mais cobiçado pelas bandas de garagem do país. A edição de 2007 os organizadores esperavam um total de 300 inscrições, e foram surpreendidos com mais de duas mil bandas. A concorrência do concurso valeu para o Brasil inteiro. São cinco etapas seletivas.

A primeira etapa foi selecionada dez bandas de São Paulo, Belo Horizonte, Recife, Brasília e Porto Alegre. Desta etapa serão escolhidas as dez melhores. A semi-final ficará apenas quatro grupos e destes sairá o vencedor.

A vencedora do ano passado foi a banda Voltz de São José dos Campos, interior de São Paulo, formada em 1999. A vitória, entre cerca de 2.000 concorrentes, garantiu à banda a gravação do seu CD – o primeiro pelo selo Som Livre Apresenta – com tiragem inicial de 10 mil exemplares.

A Voltz tem em sua formação os músicos: Glauber Ribat (voz e guitarra), Fernando Bozo (baixo e voz) e Pablo Maranho (bateria e voz). A banda apresenta canções diretas e acessíveis, com influências variadas que passeiam pelo hard rock, o pop e o grunge.

Serviço:
Lançamento: Star 61 – EP - “Você não sabe o que perdeu”
Sábado (27)
Hora: 23h30
Local: Ksa Rock – Avenida Duque de Caxias – centro histórico
Informações: 8893.7463/ 9935.3855.
E no site: http://www.gassound.com.br/evento/Default.aspx
Site da Star 61: www.star61.net

Adriana Crisanto
Repórter
adriana@jornalonorte.com.br
adrianacrisanto@gmail.com
Fotos: Divulgação

Buena Vista Social Club

Uma edição luxuosa do primeiro CD do Buena Vista Social Club foi relançada no Brasil este ano. Com preço sugerido de R$ 32,90 o admirador da obra leva para casa um CD gravado em Havana em seis dias no ano de 1996, produzido pela gravadora inglesa World Circuit. O Buena Vista, apesar do falecimento de alguns de seus integrantes, rompeu todas as barreiras da world music e se tornou o maior sucesso de todos os tempos.

Por mais leigo que sejamos no quesito música é quase impossível não gostar do que se ouve. Com a marca de mais de oito milhões de cópias vendidas internacionalmente continua sendo um recorde no gênero e resultou finalmente na inclusão de Cuba no mapa da música instrumental a partir da década de 1990.

O CD vem com um encorpado libreto com 48 páginas traduzidas em português. Na edição brasileira assinada pela MCD recupera-se o formato do lançamento original contendo também farto material fotográfico.

O título do disco faz referência um tradicional clube de música, dança e atividades sociais de Havana onde Compay, González, Ferrer, Manuel “Puntillita” Licea e Anga Díaz se encontravam desde 1940.

A história sobre a redescoberta do Buena Vista Social Club aconteceu quando o guitarrista Ry Coorder ao visitar Cuba e “procurar música de qualidade nesta ilha isolada no tempo e espaço” devido à revolução socialista e ao embargo americano surpreendeu-se ao desembarcar e descobrir tantos talentos andando pelas ruas de Havana. Cooder convidou seu filho Joachim e o produtor Juan de Marcos Gonzalez que rapidamente arregimentou estes talentos lapidados pelo tempo e numa semana em Março de 2006 nos estúdios Egrem de Havana com equipamentos dos anos 60, gravaram este documento histórico da música mundial.

Buena Vista Social Club foi ainda responsável pela descoberta mundial de grandes artistas veteranos da música cubana, como Ibrahim Ferrer, Compay Segundo, Rubén González, Eliades Ochoa e Omara Portuondo, que a partir daí gravaram discos solo que repercutiram em dezenas de países.

São 14 impecáveis faixas de Buena Vista Social Club: Chan Chan, por Eliades Ochoa; De Camino A La Vereda, por Ibrahim Ferrer; El Cuarto De Tula, por Eliades Ochoa; Pueblo Nuevo, por Rubén González; Dos Gardenias, por Ibrahim Ferrer; Y Tú Qué Has?, por Compay Segundo; Veinte Años, por Omara Portuondo; El Carretero, por Eliades Ochoa; Candela, por Ibrahim Ferrer; Amor De Loca Juventud, por Compay Segundo; Orgullecida, por Compay Segundo; Murmullo, por Ibrahim Ferrer; Buena Vista Social Club, por Rubén González; La Bayamesa, por Manuel ‘Puntillita’ Licea.

Ry Cooder disse na época do primeiro lançamento que a música de Cuba estava viva e não era encontrada em nenhum museu. “Sinto que passei a vida toda me preparando para isto, no entanto, fazer esta gravação não foi o que eu esperava em plenos anos 90. Música é como uma caça ao tesouro. A gente cava... cava e, às vezes, encontra algo. Em Cuba, a música flui como um rio. Ela te acolhe e te vira do avesso”. O resultado desta “caçada” já virou história!”, finalizou.

Adriana Crisanto
Repórter
adriana@jornalonorte.com.br
adrianacrisanto@gmail.com
Fotos: Divulgação.

O livro dos políticos

A editora Ediouro lançou este mês um bem-humorado livro intitulado “O Livro dos Políticos – A hilariante política no Brasil”, de autoria de Heródoto Barbeiro e Bruna Cantele. A obra tem como fio condutor a sucessão presidencial do presidente Luis Inácio Lula da Silva só que contada de trás para frente até Deodoro da Fonseca, presidente do Brasil no século XVIII.

A obra tem um bom conteúdo e percorre os paradoxos, embates e tropeços que ajudaram a construir a história da República brasileira. O que torna a leitura agradável são os blocos intitulados Diário da Corte, Personalidades e as notas e trechos de jornais impressos.

As ilustrações ficam a cargo de charges assinadas pelos cartunistas Céllus, Diogo Salles, Flávio, Guz, Gilmar, Léo Valença, Mangabeira, Néo, Luigi Rocco, Renato Machado, Sponholz e Zappa. As charges, sobremaneira, ajudam o leitor a encarar com bom-humor as crises e escândalos que infelizmente fazem parte do cotidiano da política nacional.

O Livro dos Políticos é uma boa sugestão de presente para os atuais candidatos que estão pleiteando uma vaga para prefeitura e assembléia municipal. Na obra os autores não falam sobre os líderes políticos, mas em planos econômicos, as trocas de moedas, os inúmeros partidos políticos, os intermináveis escândalos e as CPI´s são relembrados em suas 304 páginas.

Sobre os autores - Heródoto Barbeiro é jornalista e escritor, âncora do Jornal da CBN e do Jornal da Cultura. Nasceu em São Paulo. Bruna Cantele é mestra em educação, historiadora, autora de livros didáticos e paradidáticos, além de coordenadora do Departamento de Historia de colégio particular em São Paulo.

Serviço:
O Livro dos Políticos – A hilariante política no Brasil
Autores: Heródoto Barbeiro e Bruna Cantele
N° de páginas: 304
Preço: R$49,90

Adriana Crisanto
Repórter
adriana@jornalonorte.com.br
adrianacrisanto@gmail.com
Fotos: Divulgação.

Destaque do Prêmio Jabuti


O escritor e jornalista Laurentino Gomes foi o primeiro colocado na categoria livro-reportagem com a obra “1808”, na 50º edição do Prêmio Jabuti de Literatura promovido anualmente pela Câmara Brasileira do Livro. O anúncio foi feito na última terça-feira no site da entidade.

A obra premiada em questão narra sobre a vinda da família real portuguesa ao Brasil no ano de 1808. O livro está estruturado em capítulos organizados de forma a facilitar a compreensão dos acontecimentos deste período da história do Brasil.

No livro o autor aborda aspectos específicos do período, as condições políticas, econômicas e sociais da época. Um dos aspectos que mais tem agradado as pessoas é o fato de ser uma obra sobre história do país sem ser chato e enfadonho como era na escola. Nele Laurentino Gomes compõe um mosaico fiel do período com uma linguagem clara, concisa e objetiva, características do jornalismo contemporâneo.

No final ele envolve Portugal, França, Inglaterra e o Brasil. Tudo isso salpicado de curiosidades menos históricas que ilustram o texto e torna a leitura mais agradável e prazerosa. O livro apresenta um grande grau de credibilidade com referências históricas e de autores, fornecendo ainda vasta bibliografia, inclusive na internet, para quem quiser se aprofundar no tema.

Sobre o autor - Laurentino Gomes nasceu em 1956, na cidade de Maringá (PR). É formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná, com pós-graduação em Administração pela Universidade de São Paulo, também fez cursos na Universidade de Cambridge, na Inglaterra, e na Universidade de Vanderbilt, nos Estados Unidos.

Nestes 30 anos de jornalismo ele trabalhou como repórter e editor para alguns dos principais órgãos de comunicação do Brasil, incluindo o jornal "O Estado de S. Paulo" e a revista "Veja". Atualmente dirige uma unidade da Editora Abril, responsável pela publicação de 23 revistas de especialidade.

Adriana Crisanto
Repórter
adriana@jornalonorte.com.br
adrianacrisanto@gmail.com
Fotos: Divulgação

Blue Azul


O blues toma conta do Teatro de Arena do Espaço Cultural José Lins do Rego, em Tambauzinho, nesta quinta-feira (25). A atração desta vez é a banda paulista Blues Jeans que lança seu primeiro DVD em João Pessoa dentro do projeto Oi Blues By Night. O show está previsto para acontecer às 19h30. Os ingressos estão sendo vendidos a preço bem mais acessível do que o projeto musical Seis e Meia e estão custando R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (estudante).

O grupo é escolado na tradição do blues por ter tocado ao lado de nomes como Buddy Guy, Big Time Sarah, John Pizzarelli, Peter Tork (The Monkees), Sugar Blue, Ronnie Wood e Bobby Keys (Rolling Stones).

A Blue Jeans tem cerca de 20 anos e tem em sua formação os músicos: Junior Moreno (bateria, gaita e vocal), Marcos Ottaviano (guitarra) e Andrei Ivanovic (baixo). A influência musical do grupo passa por nomes como B.B.King, Buddy Guy, Freddie King, Eric Clapton, Jimi Hendrix e outros.

Neste show a banda apresenta músicas do seu último DVD gravado no estúdio São Paulo Sessions. O trabalho conta com a participação de gente importante, como o lendário Magic Slim, principal nome do blues de Chicago, que deixou seu reduto para vir ao Brasil gravar com a banda e depoimento da cantora norte-americana Big Time Sarah e do baterista B.B.King, Calep Emphrey tecendo elogios aos músicos brasileiros.

O projeto Oi Blues By Nigth começou em João Pessoa de forma tímida na casa de diversão Incógnito. No ano passado, foram apenas três edições e teve como atração o guitarrista do Sepultura Andréas Kisser ( que abriu o projeto este ano), o grupo Blues Power, os gaitistas Robson Fernandes, Big Chico e Jefferson Gonçalves e ainda o lendário Greg Wilson.

Serviço:
Oi Blues By Night, com Blue Jeans
Local: Teatro de Arena do Espaço Cultural
Quinta-feira (25)
Hora: 19h30
Ingressos: R$ 10 (inteira) e R$ 5 (estudante), à venda nas lojas OI dos shoppings Tambiá, Manaíra e MAG e Epitácio Pessoa.

Adriana Crisanto
Repórter
adriana@jornalonorte.com.br
adrianacrisanto@gmail.com
Fotos: Divulgação.