Mais quatro blocos animam o Folia de Rua


O pré-carnaval de João Pessoa, Folia de Rua, prossegue hoje, terça-feira (17), no seu quinto dia, com o desfile dos blocos Portadores da Folia que se concentra às 15h00, na Avenida Cabo Branco. Às 20h00 sairá o bloco 25 Bichos, com concentração na Avenida Floriano Peixoto, em Jaguaribe. A partir também das 20h00 sairá o bloco de arrasto Baratas dos Bancários, próximo a Granja Santana, no bairro Conjunto dos Bancários. E na madrugada da terça para a quarta-feira a cidade de João Pessoa começa acordando os moradores com o Acorde Miramar, a partir das 22h00, com concentração nas Praças das Muriçocas.

O bloco carnavalesco da Fundação Centro Integrado de Apoio ao Portador de Deficiência (Funad), "Portadores da Folia", surgiu com o objetivo de integrar os portadores de deficiência na sociedade. Ele saiu pela primeira vez a cerca de 12 anos. Hoje três mil participantes se integram ao bloco com o intuito de fazer valer a inclusão social.

Como todo o ano acontece o bloco se concentra no antigo Beijo Gelado na praia do Cabo Branco e vai até ao Bar Bahamas, na divisa entre as praias de Tambaú e Manaíra. Este ano o bloco será animado pela banda Dá Prazer (antiga Locomotiva), puxado pelo trio elétrico Navy e com a participação da Orquestra Tambaú de Frevo.

A estimativa dos organizadores é de que quatro mil foliões integrem o bloco que contará ainda com a participação de pessoas com deficiência da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE's) de João Pessoa, Campina Grande, Guarabira, Esperança, Santa Rita, Sociedade Pestalozzi da Paraíba, Associação dos Surdos, Instituto dos Cegos, Escola de Áudio-Comunicação de Campina Grande, Escola de Educação Especial, Fraternidade Cristã de Doentes e Deficientes da Paraíba FCD, Associação dos Portadores de Deficiência da Paraíba (APDEP), Associação dos Portadores de Deficiência Física (ASDEF), Conselho Estadual de Educação, Centro de Atividades Especiais Helena Holanda, Ministério Público, alunos das escolas regulares municipais e estaduais, usuários, familiares, e demais segmentos que fazem parte da sociedade civil. O cordão de isolamento este ano será feito pelos estudantes do UNIPE e da Faculdade de Ciências Médicas dos Cursos de Fisioterapia.

A presidente da Funad, Maria de Fátima Ribeiro Barbosa Lira, diz que depois que o Bloco Portadores da Folia começou a desfilar muitos outros estados seguiram essa iniciativa. A saída do bloco reafirma e assegura um espaço efetivo das pessoas com deficiência no exercício da sua cidadania, além de servir para solidificar a estima, concretizando a possibilidade das pessoas com deficiência mostrarem ao mundo que tem a deficiência e que são capazes de sentirem alegria, brincar, compartilhar suas emoções e amar vivenciando plenamente o sentido da sua existência.

Na zona sul da cidade de João Pessoa, o destaque fica por conta do bloco “Baratas dos Bancários”, que começou com uma brincadeira de moradores satirizando a falta de saneamento no bairro. A concentração do bloco acontece a partir das 20h próximo a Granja Santana, com saída prevista para as 22 horas. A animação fica por conta de uma orquestra de frevo.

Bichos soltos nas ruas de João Pessoa

Outro bloco que desfila há algum tempo pelas ruas da cidade de João Pessoa é o 25 Bichos. Os foliões se concentram na Avenida Floriano Peixoto, em Jaguaribe. O desfile será animado por orquestra de frevo. Os 25 Bichos foi fundado em 1946 pelo sargento do exército, Aprígio de Almeida, com um grupo de amigos abnegados foliões da época. O bloco é uma dissidência do "Bloco de Máscaras, a Bicharada", mas ficou popularmente conhecido como “Os 25 Bichos”. O hino do bloco é de autoria do poeta paraibano Manoel dos Santos.

Em janeiro de 1975, um novo grupo de foliões do bairro de Jaguaribe, reorganizou o bloco, adaptando a característica de Clube. Com a retomada do carnaval de rua de João Pessoa o bloco voltou a desfilar dentro do Projeto Folia de Rua, sob a orientação da Federação Carnavalesca de João Pessoa.

Os integrantes do bloco saem fantasiados de animais (bichos) do Jogo do Bicho, uma bolsa de aposta clandestina inventado, em 1892, pelo barão João Batista Viana Drummond, fundador e proprietário do Jardim Zoológico do Rio de Janeiro, em Vila Isabel, que se tornou bastante popular em várias Capitais do país. O jogo do Bicho teve forte presença cultural no "Brasil moderno": na música, no cinema, no teatro e na literatura. Câmara Cascudo, no seu Dicionário do folclore brasileiro, distinguia o jogo como sendo "invencível" e que a sua repressão apenas ampliava sua reprodução por todo o país. “Contra ele a repressão policial apenas multiplica a clandestinidade. O jogo do bicho é invencível. Está, como dizem os viciados, na massa do sangue", escreveu o folclorista.

O bloco além de “foliões bichos”, representando cada animal correspondente ao jogo do bicho, traz uma enorme roleta ornamentada com os desenhos dos animais em cima de um carro alegórico que conduz os foliões.

Acorde Miramar

E na madrugada desta terça (17) para quarta-feira (18) outro bicho vai está sendo acordado ao som de vozes e violões. Trata-se das Muriçocas do Miramar e o seu “Acorde Miramar”, anunciando que o bloco mais uma vez está no bairro, está rua fazendo lembrar que em João Pessoa também se mantém viva a tradição do carnaval.

O Acorde Miramar começa a se concentrar às 20h00, na Praça da Rua Tito Silva, mais conhecida como Praça das Muriçocas. A saída está programada para acontecer à meia noite em ponto. Este ano, de acordo com a assessoria de imprensa do bloco, na concentração haverá apresentação de artistas da trupe de palhaços Arlequim e do grupo Ciranda do Sol.

Alguns foliões saem vestidos de pijamas, meias e arrastando lençóis e travesseiros. No ano passado o bloco conseguiu reunir cerca de 20 violonistas. A serenata de violões é comandada pelo diretor artístico do Muriçocas de Miramar, o cantor e compositor Fúba, também puxador oficial da serenata. "Uma das coisas mais legais do Acorde é essa simplicidade. As pessoas vão chegando, se juntando, trazendo seus violões, sem necessidade de muita estrutura", acrescentou Fúba.

O Acorde Miramar saiu às ruas do bairro pela primeira vez 1992, sem a pretensão de se tornar um bloco carnavalesco. O que antes era apenas um grupo de pessoas que trabalhavam nos bastidores do bloco e ansiosos pela chegada da Quarta-feira de Fogo se transformou em um bloco que hoje arrasta foliões de todos os bairros da cidade ao som de uma verdadeira orquestra de violões.


Adriana Crisanto
Repórter
adrianacrisanto.pb@diariosassociados.com.br
adrianacrisanto@gmail.com
Fotos: Divulgação