Exposição de Ariano Suassuna é aberta na Estação Cabo Branco

“A Imagem da Palavra” é o nome da exposição que o professor, escritor, gestor cultural e artista gráfico Ariano Suassuna abre nesta quarta-feira (19), às 19h00, na Estação Cabo Branco, Ciência, Cultura e Artes localizada na Avenida João Cirillo Silva, s/n, Altiplano Cabo Branco. Logo após a abertura haverá apresentação do Grupo Armorial Motiva, regido pelo músico Roberto Araújo.

Parte da obra do artista chega ao público paraibano através de uma seleção de dez das suas preciosas iluminogravuras – obras hoje tão raras quanto originais, ferros de marcar gado, vistos por Ariano como elementos de uma heráldica brasileira e popular e desenhos para ilustração de um romance nunca publicado. A mostra contará ainda com vários audiovisuais compilados por Tiago Martins a partir de três documentários, dirigidos por Marcus Vilar, Cláudio Marzo e Douglas Machado.

Tanto este estudo dos símbolos da chamada “civilização do couro” quanto as iluminogravuras estão ligados ao movimento armorial proposto por Suassuna. Originalmente atribuído ao “conjunto de insígnias, brasões, estandartes e bandeiras de um povo”, a palavra armorial ganhou, através do Mestre Suassuna, um novo significado. Passou a designar criações que buscavam nas tradições populares brasileiras – a literatura de cordel, os poemas dos cantadores, a xilogravura, os estandartes e danças dos folguedos – os elementos para a construção de uma arte erudita essencialmente nacional.

Na concepção das iluminogravuras, Ariano também se inspirou nas tradições medievais. A técnica de iluminura era praticada por monges na Idade Média. Eles costumavam adornar as páginas de manuscritos com motivos florais e geométricos, capitulares rebuscadas e figuras fantásticas, que cobriam as margens do papel, emoldurando o texto. Na versão armorial, Ariano combinou a antiga iluminura com a gravura. As imagens de cavaleiros, cruzes, animais e armas são penetradas pela palavra.

Afinal, foi mesmo de um romance que surgiu o artista gráfico Ariano Suassuna. Na meninice, Ariano teve algum aprendizado de desenho e pintura. Ao iniciar a redação do seu monumental Romance d’a pedra do reino e o Príncipe do Sangue do Vai-e-volta, decidiu ilustrar ele mesmo o livro.

Ao contrario das gravuras convencionais, as que compõem o romance têm papel estrutural na história – são assinadas por um dos personagens e citadas no texto. Mais tarde, em 1980, Ariano aprofundou o processo de fusão entre texto e gravura em uma caixa com dez pranchas: Sonetos com Mote Alheio. Para fazer as matrizes, Ariano combinava os poemas manuscritos a desenhos em nanquim, em papel branco. As cópias eram feitas em uma gráfica, pelo processo off-set. Cada uma das 50 cópias era, então, trabalhada individualmente a mão, colorida a guache, tinta a óleo e aquarela, tornando-se peça única. Em 1985, o processo foi repetido em uma nova caixa de dez pranchas: Sonetos de Albano Cervonegro, apresentados nesta mostra, novamente com 50 exemplares (mais tarde, foram reproduzidos alguns exemplares extras, a pedido de amigos).

Para descrever as imagens, pode-se usar as características que Ariano cita como típicas da pintura armorial: “parentesco com o espírito mágico e poético do romanceiro e das xilogravuras populares do Nordeste; ausência de perspectiva, de profundidade ou relevo, ou então, perspectiva, profundidade e relevo apenas indicados; uso predominante de cores puras, distribuídas em zonas achatadas; desenho tosco e forte, quase sempre contornado, como herança da pintura popular; semelhança com os brasões, bandeiras e estandartes dos espetáculos nordestinos; parentesco com o espírito da cerâmica e da tapeçaria.”

Nas duas coleções, muitos dos títulos dos sonetos aparecem em uma tipografia peculiar. Trata-se do alfabeto Armorial, criado por Ariano a partir dos símbolos utilizadas por famílias nordestinas para marcar o gado. Depois de ler o pioneiro estudo de Gustavo Barroso sobre o tema, Ariano encontrou os registros do antepassado Paulino Vilar sobre os ferros usados pela família. A partir destas notas, estudou os seus significados simbólicos, como eram transmitidos de pai para filho e as alterações que sofriam ao longo do tempo. O resultado da pesquisa foi o livro Ferros do Cariri — Uma heráldica sertaneja (1974) e 25 letras de um alfabeto compostas pelo escritor a partir das formas dos ferros: troncos, cruzes, puxetes, mossas e pés-de-galinha.

O abecedário tem inspirado vários projetos gráficos, especialmente os ligados ao escritor. Nele, mais uma vez, Ariano Suassuna empresta à palavra uma dimensão estética, como disse certa vez ser o seu objetivo: “Unir o texto literário e a imagem num só emblema, para que a Literatura, a Tapeçaria, a Gravura, a Cerâmica e a Escultura falem, todas, através de imagens concretas, firmes e brilhantes, verdadeiras insígnias das coisas.”

Aproximar o grande público da obra gráfica e plástica de Ariano Suassuna é o objetivo maior da mostra A Imagem da Palavra, produzida pela CAMARA – Museologia, com o patrocínio da Companhia Hidroelétrica do São Francisco – CHESF.

GRUPO ARMORIAL MOTIVA – O grupo Armorial Motiva é um grupo de câmera instrumental que faz parte do Projeto de Música da Escola Motiva e tem como objetivo de pesquisar e valorizar a música nordestina e brasileira, como também promover e incentivar novos talentos musicais na escola. A primeira apresentação do grupo aconteceu no dia 19 de maio de 2007 e desde então vem sendo convidado para apresentações dentro e fora do Estado da Paraíba.

O grupo é conduzido pelo maestro, arranjador e professor Roberto Araújo. A maioria dos integrantes tem idade que varia entre 18 anos a 21 anos. Hoje o Armorial Motiva é formado por: Marcelino Vasconcelos (assistente e violino), Maria Gabriela Rocha (violinoII), Caio Alves Diniz (violoncello), Mateus Vidal Paulino (II Violoncello), Luiz Limeira R. Ribeiro (Flauta transversal), Gabriel Gomes Tizey (II Flauta transversal), Júlio César Souza de Lucena (Acordeon), Nelson Túlio de M. Lima (violão solo), Ernando Tales de M. Lima (violão harmonia), Gabriel José da Rocha Candeia (Cavaquinho), Antonio da Gama Gonçalves (cavaquinho), Alma Desirée Queiroga (Contrabaixo), Roberto Sousa de Lucena (bateria), Daniel Pires Ribeiro (percussão), Letícia Oliveira Batista (percussão), Inaiá Telino de Abreu Machado (percussão e voz).

No repertório desta apresentação estão incluídas as músicas: Romance da Bela Infanta (anônima do séc. XVI); Rabecão (Antúlio Madureira), Aspecto de uma feira (Sagrama), Santa Morena (Música Flamengo), Jacó do Bandolin; Suíte Nordestina (Homenagem à Luiz Gonzaga), Dança do Mergulhão (Domínio Público), Bachianas Brasileira n.05 (Heitor Villa Lobos), Feira de Mangaio (Sivuca - Re-leitura e adaptação Roberto Araújo), Brasileirinho (Waldir Azevedo), Rasga Nordeste (Antonio Nóbrega).

MOVIMENTO ARMORIAL - O movimento cultural Armorial foi oficialmente lançado, em Recife (PE), no dia 18 de outubro de 1970, e idealizado pelo escritor, professor, gestor cultural e artista gráfico Ariano Suassuna. O movimento tinha como objetivo de produzir uma arte erudita brasileira a partir das raízes populares, ou seja, a fusão da criatividade da música popular, na busca de qualidade Erudita.

SERVIÇO:
A IMAGEM DA PALAVRA – ARIANO SUASSUNA
Abertura: 19 de agosto (quarta-feira)
Hora: 19h00
Local: Estação Cabo Branco Ciência, Cultura e Artes - Avenida João Cirillo Silva, s/n, Altiplano Cabo Branco.
Período da Exposição: 19 de Agosto a 04 de Outubro de 2009
Horário de Funcionamento da Estação:
Terça a Sexta - 09 às 17h
Sábados e Domingos - 10h às 18h
Fone: 83. 3214. 8303 - 8802-3255
Email: fabath-ecartes@joaopessoa.pb.gov.br
Imprensa: Adriana Crisanto – 83. 8823. 2233 – 8770.5958
Email: adrianacrisanto@yahoo.com.br

CAMARA - MUSEOLOGIA E AÇÃO CULTURAL
ALUIZIO CÂMARA
Local: 2º Pavimento da Torre
Aluizio Camara
Fone: 81.8648.0108 - 3221.1574
Email: camara.museo@gmail.com