Quatro exposições na Estação Cabo Branco


Solha, Marinez Lucena, Aquino Mendonça e Parede Poética expõe telas e poemas na Estação Cabo Branco, Ciência, Cultura e Artes


Para quem não gosta das folias juninas e vai passar o São João na Capital a sugestão é visitar quatro novas mostras de artes plásticas e poemas que estarão expostas a partir desta terça-feira (23) até o dia 27 de junho, no segundo andar (torre) da Estação Cabo Branco Ciência, Cultura e Artes, localizado na Avenida João Cirillo Silva, s/n, Altiplano Cabo Branco. São telas de W. J. Solha (Pense Grande), Aquino Mendonça (O Mar à Vista), Marinez Lucena (Quadrilha Junina) e Parede Poética do Serviço Social do Comércio (SESC).


A primeira é o Projeto Pense Grande idealizado pelo artista plástico, ator, roteirista e escritor paulista W.J.Solha no final do ano de 1999, a partir de um fato ocorrido com o jogador de futebol Edmundo, quando o mesmo “insultou” o juiz de futebol e o chamou de “paraíba”. De acordo com Solha, radicado em João Pessoa há vários anos, o paraibano deveria conhecer e valorizar os homens e as mulheres de destaque do Estado a fim de levantar a auto-estima. “Poucos Estados brasileiros contam com tantas expressões importantes, em todas as áreas com aqui”, enfatizou Solha.

A exposição, composta por 68 telas, consiste em uma parceira entre o Jornal O Norte (Grupo Diários Associados Paraíba), com apoio da Biblioteca Central, Coordenação de Extensão Cultural e Pró-Reitoria para Assuntos Comunitários da Universidade Federal da Paraíba (BC/COEX/PRAC/UFPB) com o Projeto Arte na Escola.

As obras de arte de Solha são conhecidas nacional e internacionalmente. No período de 2000 a julho de 2001, um jornal local, veiculou, a cada semana, na capa do caderno de cultura, a reprodução do retrato de um paraibano ilustre. As telas possuem tamanhos variados e foi confeccionada em acrílica sobre tela. O slogan da mostra exposição é “Pense grande como o paraibano Augusto dos Anjos”. No local o visitante poderá observar telas com personagens importantes das artes paraibana, a exemplo de Augusto dos Anjos, Antônio Dias, Walter Carvalho, Paulo Pontes e outros.


Todas as cores da Quadrilha Junina


A segunda exposição é da artista plástica Marinez Lucena, intitulada “Quadrilha Junina”. Nela a artista encontrou na sua terra natal inspiração para pintar 16 telas em óleo sobre tela que compõem a mostra.

As telas são de natureza impressionista, com cores puras e dissociadas em pequenas pinceladas, valorizando o contraste de luz e sombra pelo uso das cores complementares. “Minha temática está entre a figura e a natureza onde sempre busco expressar minhas emoções, sentimentos, visões de mundo e lugares que me cercam”, disse Marinez.

O Mar de Aquino


“O Mar à Vista” é o título da terceira mostra de artes plásticas que está aberta para visitação pública na Estação Cabo Branco Ciência, Cultura e Artes. Nesta exposição Aquino Mendonça expõe toda sua natureza impressionista. São ao todo 31 telas em óleo sobre tela em que trata da beleza da natureza representada pelo céu, pescadores, mar e barcos.

Em cada obra pode-se fazer uma leitura. As cores saltam da tela como se paisagem estivesse viva. Os tons, em amarelo e laranja, fazem lembrar o crepúsculo, o cair da tarde. “Minhas motivações foram às imagens da Baía da Traíção”, disse Aquino que se considera um admirador profundo da natureza. “O impressionismo foi a escola de arte que mais me deslumbrou”, revelou o artista.

As telas chamam atenção pela luz retratada. Este efeito emprestado ao trabalho modifica de certa forma o objeto retratado, em uma espécie de releitura do real proposta pelo artista.


Parede Poética

Outra exposição singular é a Parede Poética, projeto itinerante desenvolvido pelo Serviço Social do Comércio (SESC) há cerca de 15 anos. A mostra é composta por poemas ilustrados de poetas paraibanos através de suporte banners que medem 2 metros por 1,5 metros de altura.

Nesta mostra serão exibidos trabalhos de Braulio Tavares, Figueiredo Agra, Edgley Andrade Rocha, Luiz Fernando Silva, Águia Mendes, Antônio Mariano, Sônia Van Dijck, André de Sena, Ricardo Peixoto, Juca Pontes, Jessier Quirino, Elionaldo Varela, Ricardo Anísio, Vitória Lima, Elinaldo Rodrigues, Elionaldo Varela, Andreza Clarinda, Batista Ralle e outros. A curadoria da Parede Poética é do escritor e poeta Políbio Alves e coordenado pelo jornalista Chico Noronha.


SERVIÇO:
Exposições: PENSE GRANDE, O MAR À VISTA, QUADRILHA JUNINA E PAREDE POÉTICA

Período: 23 de junho (terça-feira) a 27 de junho
Local: Estação Cabo Branco, Ciência, Cultura e Artes - Avenida João Cirillo Silva, s/n, Altiplano Cabo Branco.
Horário de visitação:
Terça à sexta-feira, das 9h00 às 17h00.
Finais de semana e feriados, das 10h00 às 18h00.
Informações: (83) 3214.8303.

"De Víbora em Punho" é atração do programa Cine Estação França


O filme "De Víbora em Punho" (França/Reino Unido, 2004) é a próxima exibição que acontecerá nesta quinta-feira (18), a partir das 19h, no auditório da Estação Cabo Branco Ciência, Cultura e Artes dentro das comemorações do Ano da França no Brasil. A entrada é aberta ao público.

"De Víbora em Punho" é um filme adaptado de um dos mais famosos romances infantil e juvenil da literatura francesa, de autoria de Hervé Bazin. Em boa parte autobiográfico, o filme conta em um tom tragicômico o combate violento, impiedoso e ferozmente engraçado travado por uma criança contra sua própria mãe, numa família burguesa no final da década de 1920.

Jean Rezeau e seu irmão mais velho vivem felizes em La Belle Angerie, o castelo da família, mas a morte de sua avó provoca o retorno de seus pais da Indochina, e com isso o fim da infância. Aprendizado da idade adulta, lição de vida otimista, conquista da liberdade, por uma criança que se rebelou contra aquela que fez dele, apesar de tudo, um artista e um grande escritor. No elenco estão os atores Catherine Frot, Jacques Villeret, Jules Sitruk. O drama, em cores, tem duração de 100' e classificação livre.

O evento faz parte do programa 'Cine Estação França', realizado pela Estação Cabo Branco em parceria com a Aliança Francesa, em João Pessoa, desde o mês de março até novembro deste ano, toda terceira quinta-feira de cada mês. A projeção é digital e todos os filmes são legendados, com debate no final de cada exibição.

O diretor geral da Estação Cabo Branco Ciência e Cultura, Fernando Abath, disse que um dos objetivos do Cine Estação França é apresentar e difundir a cultura francesa com a maior abrangência e diversidade de público possível, desde os amantes do cinema europeu até as pessoas que não tem condições de terem acesso as salas de cinema da cidade. "É um acontecimento memorável e, sem dúvidas, conhecer mais da cultura francesa, não dá para ficar de fora", disse Abath.

SERVIÇO:
DE VÍBORA EM PUNHO (França/Reino Unido, 2004)
Quinta-feira (18)
Hora: 19h
Local: Auditório da Estação Cabo Branco Ciência, Cultura e Artes
Entrada é aberta ao público

João Pessoa recebe arte de Brasília


A exposição intitulada “Capital Digital” mostra um conjunto de obras de arte
e tecnologias na Estação Cabo Branco

“Capital Digital” é o título da nova exposição que será aberta na última sexta-feira (12), às 19h00, na Estação Cabo Branco Ciência, Cultura e Artes, localizado na Avenida João Cirillo Silva, no Altiplano Cabo Branco, em João Pessoa (PB). No dia da abertura haverá ainda performances teatrais. A exposição ficará no local até o dia 12 de agosto, com visitação aberta ao público.

A exposição consiste em um conjunto de obras de arte e tecnologia de importantes artistas da cidade de Brasília (DF). A exposição, interativa, será um espaço para que a sociedade possa experimentar a atualidade, favorecendo a reflexão sobre perspectivas para construção de um futuro melhor a partir das inovações da humanidade.

A arte produzida na cidade de Brasília é marcada, em parte, pelo entrelaçamento entre a ciência e as novas tecnologias, sendo amplamente reconhecida no cenário nacional e internacional. Parte do interesse dos artistas locais, no aspecto tecnológico da contemporaneidade, se dá, principalmente, pelo estímulo às investigações promovidas pelo Instituto de Artes (IDA), Departamento de Artes Visuais da Universidade de Brasília (UnB), instituição federal de ensino superior pioneira na abertura do Programa de Pós-Graduação direcionado à Arte e Tecnologia. A imagem da arte é produzida pelos professores, alunos e egressos da UnB, e em grande parte, associada a inovação tecnológica, vanguarda e qualidade técnica.

As peças abordam com amplitude o universo das linguagens particulares à arte e tecnologia, abrangendo desde a videoarte, webarte, realidade virtual, vida artificial, arte genética, gamearte, instalações interativas, arte robótica até o universo da moda na criação de computadores visíveis.
Estarão expostas no local trabalhos de Suzete Venturelli, Geraldo Orthof, Bia Medeiros, Carlos Praude, Frank Nelly, Beatriz Salles, Eufrasio Prates, Maria Luiza Fragoso. Além das peças dos artistas e pesquisadores: Alexandra Caetano (CiberCinético), Buskati (Obra coletiva: Wjan, Cinara Barbosa, Antonio Francisco Moreira e Frank Nelly), Cecília Mori (Pequeno Encontro), Christus Nóbrega (Casa), Cinara Barbosa (barco pensamento), Camila Handan (Cybridart), Cleomar Rocha (José Rodolfo), Carrijo de Freitas(Atratores), Danilo Guimarães (Quem dirige Brasília?), Eufrásio Prates (ensaio @-temporal), Lavínnia Seabra (Marilyn Tech Black). E ainda pesquisadores associados como: Dan Eros Volusia, Soraia Silva, Luzirene Rego, Clarice Cabral e Alexandre Nas (Monummovimentum), Karina Dias (Janela I), Tiago Franklin (antiRBSfrequency), Leci Augusto (Jogo), Sheila Campello e Grupo Arteduca (Vivências poéticas e o espaço urbano). onheça alguns trabalhos:

SUZETE VENTURELLI - Teremos o Idance, um gamearte que apresenta o uso da música como meio de geração de gráficos computacionais artísticos capazes de reforçar no usuário o estímulo gerado, ampliando assim a experiência sensorial criada pela música. Além do software o sistema compreende um dispositivo com sensor de captação de movimento infravermelho, projeto multimídia e um espelho para a instalação do ambiente interativo de imagem e som em tempo real.

GERALDO ORTHOF - Mostrará em abibliotecadostripper uma videoinstalação inédita.

BIA MEDEIROS E GRUPO CORPOS INFORMÁTICOS - Realizará performance na inauguração em telepresença.

CARLOS PRAUDE - Apresentará Stratus em que as imagens podem ser apresentadas como simulação de nuvens ou como bandeirolas dispostas ao vento. O interator pode simular movimentos de vôo em um espaço 3-D, deslocando-se para as laterais, acima ou abaixo das imagens apresentadas. O interator pode alterar as configurações de cores do céu e do objeto apresentado (nuvens ou bandeirolas). O programa permite ao interator diversas experimentações por meio de mudanças nas configurações de zoom, velocidade de deslocamento, direção de vôo e volume das formas.

FRANK NELLY - Apresenta Chinelinbug, um jogo que faz uma alusão aos jogos de dança, que utilizam como interface o tapete de dança. O objetivo do game é “pisar” em pontos estratégicos do tapete para matar “baratas” que aparecem no monitor. O trabalho envolve um eficiente grau de incorporação na relação homem/máquina ao trabalhar com forte conteúdo de identificação.

BEATRIZ SALLES E EUFRASIO PRATES - Propõem com Visões Corporais, baseado no conceito de visonual de Servio Túlio Marin, propiciar a percepção visual através da cinestesia dos outros sentidos. Considerando que a cultura ocidental supervaloriza o sentido da visão, no momento em que este é suprimido, valorizando os demais, conseguimos enriquecer o nosso repertório de interação, seja ele com outras pessoas ou com a própria realidade física. O corpo como captador e decodificador de estímulos terá a finalidade de gerar impulsos para sentidos não tradicionais responsáveis por compor sinestesicamente a imagem visual. Tratam da sensibilização para a condição supostamente conhecida de pessoas com deficiência visual.]

MARIA LUIZA FRAGOSO - Mostra em dois trabalhos “ Eco-Urbe” e “tracaja-e.net” sobre arte e tecnologia GPS. O projeto tracajá-e.net é um exemplo de como se pode desenhar no ciberespaço. Este foi dividido em três etapas, sendo que a segunda foi a criação de um banco de dados composto de imagens digitais e registros em GPS. Naquele momento foi realizada uma viagem, de carro e de barco, pelas Regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste do Brasil, durante a qual foram registradas digitalmente, entre junho e novembro de 2002, imagens de 14 estados, mais de 250 cidades, 700 localidades e aproximadamente 20.000 km. Algumas dessas imagens foram publicadas no site do projeto (http://www.tracaja-e.net), no qual era alimentado o diário de bordo. Os dados eram enviados, via telefonia celular satélite, computador portátil e Internet para o servidor. Eco-Urbe é um trabalho artístico constituído a partir de dados digitais e exibido enquanto instalação multimídia. O banco de dados combina imagens fotográficas digitais, in loco e via satélite, com coordenadas de localização capturadas com GPS.

SERVIÇO:
Exposição CAPITAL DIGITAL – arte, ciência e tecnologia
Abertura dia 12 de junho (sexta-feira)
Local: Estação Cabo Branco Ciência, Cultura e Arte – Altiplano Cabo Branco
Até 12 de agosto