Artes Plásticas


A exposição AMOR e SOLIDARIEDADE é vista por mais de dois mil estudantes da Capital e mais de sete mil turistas

Dois mil setecentos e cinquenta e oito estudantes de escolas públicas e privadas da cidade de João Pessoa já visitaram a exposição individual do artista plástico Abelardo da Hora intitulada “Amor e Solidariedade”, que se encontra aberta a visitação pública nos jardins e segundo pavimento da Estação Cabo Branco, Ciência, Cultura e Artes (ECARTES), localizada na Avenida João Cirillo da Silva, Altiplano Cabo Branco.

No livro de visitas da Estação Cabo Branco está registrada também a presença de 7.033 pessoas, entre turistas e visitantes em geral. A turista, Elizabeth Salviano, do Estado do Pará, disse que é a primeira vez que vem a João Pessoa e está encantada com a exposição. “Pena que muitos brasileiros não tem a oportunidade de deslumbrar tamanha beleza”, acrescentou Elizabeth que veio com a família festejar o São João Pessoa.

A mostra é uma parceria entre o Instituto Abelardo da Hora (IABH) e Estação Ciência, Cultura e Artes que trouxe para João Pessoa 130 obras do artista. Além das esculturas estão expostas desenhos, gravuras, pinturas e salvas de vários momentos dele.

A montagem envolveu uma equipe de aproximadamente 70 pessoas do Instituto Abelardo da Hora (IAH) e servidores da Logística da Estação Cabo Branco, com apoio da Secretaria de Infra Estrutura (SEINFRA). Nesta montagem foram utilizados 2 caminhões Munck´s, uma vez que alguma pessoas pesam cerca de 500 quilos.

As peças estão dispostas em dois lugares da Casa. Na área externa estão as obras maiores e mais pesadas do artista. Na parte interna, instalada no segundo pavimento da Torre Mirante, estão expostas 113 obras entre elas esculturas em concreto e bronze, painéis cerâmicos e esculturas em pequenos formatos, bustos e relevos escultórios.

A curadora da Estação Cabo Branco, a artista plástica, Lúcia França, disse que as obras maiores foram distribuídas nos jardins da Casa sem que houvesse nenhuma agressão ao meio ambiente e ao gramado. No local em que estarão instaladas as obras foram preparadas bases, estilo “cobogramas”, que são ecologicamente corretas para receber essas peças. A exposição ficará no local até o dia o dia 8 de agosto, com visitação pública de terça a sexta-feira, das 9h00 às 21h00 e nos sábados e domingos das 10h00 às 21h00.

SOBRE ABERLARDO DA HORA

Abelardo da Hora nasceu no ano de 1924. É natural de São Lourenço da Mata (PE). Formado pela Escola de Belas Artes do Recife, conviveu com nomes como Vicente do Rêgo Monteiro e Hélio Feijó. Vanguardista, foi um dos fundadores da Sociedade de Arte Moderna do Recife e um dos precursores da arte cinética no país. Mestre de toda uma geração de artistas pernambucanos de renome, partindo de Francisco Brennand até José Cláudio, Corbiniano Lins, Guita Scharifker, Gilvan Samico, Wellington Virgolino, entre outros.

A curadora geral da Estação Cabo Branco, a artista plástica Lúcia França, disse que Abelardo da Hora é um dos poucos escultores expressionistas de vulto em plena atividade no país. Ele foi um dos fundadores do Movimento de Cultura Popular e o mentor da ideia básica anos antes de sua realização, calcando grande parte de sua vida no ensino gratuito de arte aos novos talentos e na integração de todas as artes em uma espécie de universidade aberta.

As obras de Abelardo da Hora, a maioria de estilo estão espalhadas por todo o mundo: China, França, Estados Unidos, Suíça, Rússia, e na antiga Tchecoslováquia. No Brasil integra os acervos do Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro, Museu do Solar do Unhão na Bahia, MASP (Coleção Pietro Maria Bardi), MAC da USP, MAMAM do Recife e em inúmeras coleções particulares. Incontáveis são as exposições - individuais e coletivas - que integrou: todos os países da Europa, Mongólia, Argentina, Canadá e EUA (incluindo individual na Biblioteca do Congresso), entre tantos, já receberam suas obras. Diversas vezes premiado em Salões de Artes Plásticas em todo o país, desde a década de 1950 é Delegado em Pernambuco da Secção Brasileira da Internacional de Artes Plásticas ligada à UNESCO, além de ser um dos fundadores da ABDE em Pernambuco.

Vasta é a referência bibliográfica sobre Abelardo da Hora. Vão desde as maiores enciclopédias do país (a Delta Larrousse e a Barsa) até a trabalhos importantes sobre a arte Brasileira, como o livro Expressionismo no Brasil - Heranças e Afinidades da Fundação Bienal (1985), A Coleção Arte no Brasil da Editora Abril, História Geral da Arte no Brasil, com coordenação de Walter Zanini, dentre muitos catálogos e livros nacionais e internacionais.

SERVIÇO: EXPOSIÇÃO: ABELARDO DA HORA – 60 ANOS DE ARTE
Até o dia 8 de agosto
Local: Estação Cabo Branco, Ciência, Cultura E Artes – Altiplano Cabo Branco
Visitação pública: Terça a sexta-feira das 9h às 21h, e nos sábados e domingos das 10h às 21h