Estação Cabo Branco abre duas novas exposições


Duas novas exposições serão abertas nesta quinta-feira (2 de setembro) a visitação pública no segundo pavimento da Torre Mirante da Estação Cabo Branco, Ciência, Cultura e Artes. Trata-se das mostras individuais do artista plástico paraibano Francc Neto (Gesto Primordial) e da artista plástica mineira Irene Barros (Colagens).

Francc Neto inaugura sua exposição Gesto Primordial, composta por 34 obras entre pinturas, relevos e plotagens que revelam uma lógica próxima da experiência vital de uma vivência ritualista que pensa a vida como transformação permanente e que busca este movimento numa experimentação constante com a matéria.

As obras são confeccionadas em madeira e em “Medium Density Fiberboard”, um material derivado da madeira que é internacionalmente conhecido por MDF. Em português, a designação correta é placa de fibra de madeira de média densidade. Além de tinta piso e fogo que desmaterializa e desrealiza a matéria.

O nome da exposição surgiu da própria composição material das peças. “Todo esse material realiza e gera um novo elemento, um gesto primordial”, explicou Francc Neto. As obras variam de tamanho, entre 1,10 por 1, 60 centímetros. As pinturas medem de 1,60 a 2,20 centímetros e as esculturas entre 1,80 a 0,30 centímetros.

Gesto Primordial possui um caráter de investigação em dois sentidos. Um deles pela pesquisa das formas, suporte e material como uma forte carga de experimentação. O outro pela capacidade de reflexão e por estabelecer relações maiores com o universo da arte.

Para Francc Neto, a exposição advém dessa articulação que não passa apenas pela razão e pela emoção, mas pelo próprio corpo, para que seja possível a presença do fogo como energia universal, irradiante, intensa, trazendo em si o Germe da contradição: princípio de vida e de morte. É o efêmero dando lição de eternidade. O fogo que, segundo ele, desmaterializa e desrealiza a matéria, também, integra, realiza e gera um novo elemento, um ser atemporal.

Francc Neto nasceu no município de Catolé do Rocha (PB), em 1960. Graduado e especialista em Filosofia pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (USP). Iniciou na carreira artística no final da década de 1970, como desenhista e pintor. Em 1984, começou a discutir a linguagem do suporte, rompendo com o plano e evidenciando o volume. No período de 1994 a 2002 lecionou escultura e filosofia da arte na Faculdade de Artes Dulcina de Moraes, em Brasília (DF).

Na década de 90 realizou mostras individuais no Novotel em Natal (RN), no Conjunto Cultura da Caixa (Brasília), no Unimóveis DECOR 1997, como designer de mobiliário em madeira ecologicamente correta, também em Brasília.

Participou de várias exposições coletivas. Entre elas o 1º Salão de Artes Plásticas do CEGRAF (Brasília), II Concurso de Escultura em Sucata (Brasília); XI e XII Salão Municipal de Artes Plásticas (João Pessoa), na Mostra 11 Artistas Brasileiros, no Zarinha Centro de Cultura, em João Pessoa (PB), na IX Bienal do Recôncavo, em São Félix (Bahia). A última individual, em 2008, "PORAN", no Casarão 34, João Pessoa.

Recebeu a Menção Honrosa no ano de 2003, no Salão Municipal de Artes Plásticas, em João Pessoa. Suas obras estão expostas em coleções públicas no Museu Vivo da Memória Candanga (Brasília/DF), no Museu da Limpeza Urbana (Brasília/DF) e Fundação Cultural de João Pessoa (PB).

A segunda mostra individual aberta neste mesmo dia é da artista plástica mineira Irene Barros (tela ao lado), intitulada Colagens. No local o visitante vai encontrar 23 telas em tamanhos que variam de 80 por 1 metro e consiste no reaproveitamento de materiais (papeis, imagens, etc) que se transformam em surpreendentes novas obras de arte.

Irene Barros é natural Juiz de Fora (MG). Ela é formada em artes plásticas pela Escola Belas Artes Antônio Parreiras e Instituto de Artes e Design da Universidade Federal de Juiz de Fora (MG). Professora de educação artística desde 1992 atuou em vários projetos artísticos em Minas Gerais. Participou de vários salões de artes entre eles do Salão de Artes Plásticas de Juiz de Fora e Rio de Janeiro em que recebeu menção honrosa e medalhas pelo desenvolvimento e repercussão de seus trabalhos artísticos.

A artista produziu e fez parte de mostras coletivas e individuais. Sua última exposição individual (Real e Imaginário) aconteceu em 2009, em João Pessoa (PB), no Centro Cultual Zarinha. Irene Barros trabalha com a técnica de óleo sobre tela e pastel, mas também é escultora com trabalhos premiados. No ano de 2003, assumiu a presidência da Associação de Belas Artes Antônio Parreiras, fundada em 1934, sendo a primeira mulher a exercer o cargo.

A divisão de programa e atividades da Estação Cabo Branco comunica ao público que as duas mostras são abertas ao público, sendo que a exposição Colagens de Irene Barros ficará no local até o dia 26 de setembro e Gesto Primordial do artista Francc Neto permanecerá exposta para a visitação pública até o dia 29 de setembro.

SERVIÇO:
Exposições individuais: GESTO PRIMORDIAL (FRANCC NETO) E COLAGENS (IRENE BARROS)
Abertura: 2 de setembro (quinta-feira)
Horas: 19h00
Local: Segundo Pavimento da Torre Mirante da Estação Cabo Branco, Ciência, Cultura e Artes – Altiplano.
Entrada gratuita